Nos últimos 3 dias, uma onda de calor que atingiu 45 graus no sul do Paquistão, matou mais de 700 pessoas. A maioria das mortes aconteceram em Karachi, a maior cidade do país, com 20 milhões de habitantes. Os hospitais estão em estado de emergência, médicos que estavam de férias foram convocados.

O fornecimento de energia e água foram afetados pela temperatura exorbitante. Semi Khamali, médico no maior hospital de Karachi, afirmou que a instituição já tratou 3.000 pacientes.

O governo provincial decretou um feriado nesta terça-feira para forçar as pessoas a permanecerem dentro de casa, pois muitas vítimas da onda de calor são pessoas que trabalham a céu aberto.

Por coincidência, os efeitos da onda de aconteceram no período do Ramadã –os muçulmanos praticantes permanecem em jejum entre o nascer e o pôr do sol. O clérigo islâmico Tahir Ashrafi afirmou que as pessoas com mais risco podem abrir mão do Ramadã.

A onda de calor é similar à que afetou a vizinha Índia nas últimas semanas, a segunda mais importante da história do país e que deixou mais de 2.000 mortos.