O intercâmbio comercial entre Brasil e China

Por Val Oliveira

Brasil e China têm se tornado grandes parceiros comerciais. Por sua vez, o gigante asiático disputa mercado em todos os continentes e tem se consolidado como um dos maiores exportadores do mundo. Dessa forma, o empresariado brasileiro viu na “locomotiva” chinesa a possibilidade de adquirir matérias-primas importantes e indispensáveis para a produção industrial, com um melhor custo-benefício. Mas, como fazer o primeiro contato com o mercado chinês e usufruir da melhor forma dessa parceria?

China: um mundo de possibilidades

As barreiras culturais e de idioma podem fazer com que muitos empresários fiquem restritos ao mercado interno. Além disso, negociar com pessoas que vivem em um país com uma cultura tão distinta pode ser traumático, caso não haja assessoria adequada para tal empreitada. Nesse cenário é que surge o serviço da Best Way Cargo, uma empresa de logística internacional, de gestão de comércio exterior, especializada em “negócios da China”.
Segundo Eber Pinho (foto na outra página), 38 anos, diretor comercial da empresa, a Best Way tem know-how para eliminar qualquer dificuldade nessa relação América/Ásia. Ele faz questão de derrubar alguns mitos sobre o país asiático e destaca que o “dragão chinês” não é o “bicho de sete cabeças” que costumam pintar. “Nosso trabalho é facilitar a vida de pessoas interessadas em comprar da China. Não é difícil lidar com os chineses e posso afirmar que negociar com eles me fez aprender muito. Como aqui, lá também existem as pessoas honestas e as desonestas. Então, meu trabalho é ajudar o empresário a não comprar “gato por lebre”, impedir que caia em golpes de produtos falsificados ou de empresas que não existem, bem como auxiliá-lo a encontrar preços competitivos, sem atravessadores”, explica Eber.
A Best Way nasceu dentro do Aeroporto Internacional de Guarulhos. Eber conta que, trabalhando para renomadas empresas, começou a fazer viagens periódicas para a China. “São quase 15 anos visitando a China para negócios. Há cinco anos, em parceria com minha irmã Míriam Pinho e minha amiga Fabia Lazzarine, decidi montar a Best Way, no intuito de fazer algo diferente. Somos coligados do grupo Real Logistics, que é o nosso braço chinês. Lá temos 200 funcionários espalhados em oito escritórios, para dar a atenção que o empresário brasileiro precisa, com toda

infraestrutura. Inicialmente, fazemos um estudo e já conseguimos tirar alguns intermediários, para dessa forma baixar os custos dos insumos. Damos respaldo e orientamos, a partir de regras internacionais de comércio, com todos os pormenores em contrato firmado com as fábricas chinesas. Por meio da Real Trading, outra empresa do nosso grupo, assessoramos pagamentos às fábricas chinesas, bem como os desembaraços relacionados ao embarque de mercadorias para o Brasil e todo o serviço de logística. Fazemos o estudo de nacionalização da carga, pois há o valor do produto lá na China, a tributação, o frete e a entrega, antes do empresário se decidir pela compra, para não ter surpresas”, destaca.
No Brasil, a Best Way atende com seis pessoas na sede da empresa no bairro de Santana, em São Paulo, uma em Guarulhos e em Campinas, duas em Santos e representantes em todos os portos e aeroportos do País.

Missões compradoras

Durante sua trajetória, Eber Pinho diz ter percebido o interesse e necessidade de pequenos e médios empresários de se aproximarem da China. Pensando nisso, desenvolveu o projeto “missões compradoras”, que são viagens realizadas duas vezes ao ano, nos meses de abril e outubro, para a cidade de Guangzhou, onde acontece a Canton Fair, maior feira de negócios da China. A feira ocorre em três fases e cada uma dessas etapas dedica-se a diferentes produtos. Na primeira, há insumos para indústrias, a segunda é voltada à decoração e presentes, e a terceira fase contempla a área médica e hospitalar.
“Pelo nosso perfil, atraímos empresários para a primeira fase, que acontece em cinco dias. Aproveitamos também para visitar as fábricas que têm o produto no qual o empresário está interessado. Nosso foco não são os comerciantes chineses que vendem produtos prontos como na rua 25 de Março ou no centro de Guarulhos, por exemplo. Nós trabalhamos com empresários que queiram desenvolver produtos e que encontram na China insumos para a produção de itens que serão comercializados aqui, a fim de gerar mais empregos para nossa indústria e comércio”, finaliza Eber.
A próxima “missão compradora” acontece no mês de abril.

Best Way Cargo
Rua Amaral Gama 333 – Cj. 164 – Santana – São Paulo.
Tel.: 3567-3063 – www.bestwaycargo.com.br