“O maior reforço que o Boca teve no último ano foi Amarilla”

No futebol a bola não para de rolar e os escândalos de corrupção também não. Onze gravações de áudio reveladas neste fim de semana pelo programa La Cornisa, da América TV, apontou irregularidades em diversos episódios do esporte mais popular do mundo. As escutas telefônicas envolvem, em sua grande maioria, o ex-presidente da Associação Argentina de Futebol (AFA), Julio Grondona, que comandou a instituição durante 35 anos e chegou a ser Presidente Financeiro da FIFA.

Uma das escutas que mais causou polêmica aconteceu em 17 de maio de 2013, dois dias depois do Corinthians ser eliminado nas oitavas de final da Libertadores pelo Boca Juniors. Na época, a partida causou alvoroço entre torcedores e críticos, pois a arbitragem do paraguaio Carlos Amarilla cometeu notórios erros contra o Timão (que já havia perdido o jogo de ida por 1 a 0, na ocasião o time brasileiro teve dois pênaltis não marcados e dois gols mal anulados).

Grondona, morreu em 2014 aos 82 anos, mas o seu “legado” permaneceu e veio à tona.

O guarulhense Edu Gaspar, gerente de futebol do Corinthians, acredita que o Clube teve ter cautela antes de tomar uma atitude mais séria, mas estará atento às investigações. “Vamos esperar, ontem (domingo) vazou a notícia. Vamos acompanhar de perto o que aconteceu. Fomos vítimas no caso. Vamos aguardar e ficar atentos. É um motivo para ir atrás e tirar a limpo. O Corinthians não vai deixar de lado uma coisa tão séria como foi”, disse em uma entrevista no CT Joaquim Grava.

Por Jônatas Ferreira