O povo é contra a corrupção? Sério mesmo?

Diversas festas vêm sendo promovidas, patrocinadas ou apoiadas por políticos e por candidatos e pré-candidatos.
O tempo passa, o povo demonstra condenar a corrupção, mas basta um aceno, um carinho, um brinquedo, um favorzinho, e as pessoas se deixam levar.
Em boa parte das vezes, o dinheiro que custeia isso é público, de forma direta ou indireta. Quando é dinheiro particular, certamente é de alguém que está querendo comprar a simpatia das pessoas e recuperar, com lucro, quando conseguir conquistar o poder.
Há uma forte campanha nas redes sociais contra a cultura do estupro. Campanha muito válida, necessária, imprescindível até. É preciso exterminar a mentalidade machista e possessiva.
Seria importante, também, disseminar nas redes sociais uma campanha de conscientização para que os eleitores, ao escolher quem irá representá-los, levem em conta a capacidade que o(a) candidato(a) tem de exercer com dignidade e competência a função pretendida.
Se os eleitores continuarem votando motivados por interesses pessoais, estarão sendo corruptos tanto quanto os políticos contra os quais o povo tem se manifestado.
Valdir Carleto