O prefeito do Rio de Janeiro e a falta do que fazer

O prefeito do Rio de Janeiro não poderia ter encontrado forma mais eficaz para fazer o sucesso de um livro do que ter tentado proibir sua venda na Bienal do Livro.

Num rompante de moralismo tolo, mandou apreender os exemplares do livro “Vingadores, a cruzada das crianças”, porque nele consta a imagem de duas figuras masculinas se beijando. Detalhe: os livros eram vendidos lacrados e na capa não constava nada que sugerisse obscenidade. Resultado: a fiscalização esteve na Bienal e nada apreendeu. Até porque o livro em questão havia se esgotado.

Por precaução, a direção da Bienal pleiteou uma liminar judicial para garantir a livre comercialização da obra, sendo atendida pelo desembargador Hélio Ribeiro Pereira Nunes, da 5a. Câmara Cível do RJ.

Porém, a Prefeitura do Rio de Janeiro, cidade onde parece que todos os problemas urbanos estão resolvidos, recorreu ao Tribunal de Justiça, cujo presidente, Cláudio de Mello Tavares mandou recolher as obras, a não ser que estivessem lacradas e com advertência na capa quanto ao conteúdo interno.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ficou inconformada com a decisão e recorreu ao Supremo Tribunal Federal. O presidente, Dias Toffoli, considerou descabida a ordem do presidente do TJ do RJ e a revogou.

Se Crivella tivesse ficado quieto desde o início, tratando de cuidar do que lhe compete, que é a manutenção da cidade cuja administração lhe foi confiada, certamente o livro não teria obtido o destaque que ganhou. Pior: a ilustração contendo o beijo estampou a capa de alguns dos principais jornais e foi mostrada em praticamente todos os programas noticiosos da televisão. Além, é claro, de toda a repercussão nas redes sociais.

Nem vou entrar no mérito da obra literária em si, até porque não a conheço. Mas, não tem cabimento, em uma época em que todo tipo de imagem está disponível na internet, o prefeito de uma metrópole usar seu tempo e a caneta para tentar impedir a circulação e venda de um livro. O tiro saiu pela culatra. Afinal, beijo gay sempre existiu. Prefeitos incompetentes tentando distrair a atenção do povo com atitudes descabidas, também.

Valdir Carleto