Foto de divulgação

Causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue) infectado  e Aedes albopictus (transmissor da dengue e da febre amarela).

Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia, cansaço, erupção na pele, conjuntivite, entre outros. Porém, o sintoma mais característico está na dor nas articulações – é tão forte que chega a impedir os movimentos e pode perdurar por meses, mesmo após a febre ter ido embora. Conforme seu avanço pelas juntas o vírus causa inflamações com intensas dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

O diagnóstico é como o da dengue; somente uma avaliação especializada com exames laborais poderá indicar a presença do vírus no organismo. Formas graves da doença existem, mas o risco de morte é baixo.

Tratamento

Atualmente, não há tratamento específico disponível para a c. É importante tomar muito líquido para evitar a desidratação. Analgésicos, como o Paracetamol é indicado, mas, como na dengue, devem evitar medicamentos à base de ácido acetilsalicílico (aspirina) ou que contenham a substância associada. Esses medicamentos têm efeito anticoagulante e podem causar sangramentos.

Como a transmissão do vírus se dá em recipientes com água parada, para limitar a transmissão do vírus, os mesmos cuidados devem ser adotados (não acumular materiais que possam reter água parada, tapar caixas d’água e etc.). É importante os pacientes se preocuparem com essa prevenção, para evitarem que algum Aedes aegypti o pique, ficando também infectado.

Por Jônatas Ferreira