Populares pedem intervenção da Câmara em processo de remoção na Vila São Rafael

A Comissão Técnica de Obras e Serviços Públicos promoverá uma reunião na próxima segunda-feira, 17, no Plenário da Câmara de Guarulhos, a partir das 19h, para discutir alternativas para a remoção de cerca de 400 famílias que vivem embaixo das linhas de transmissão de alta tensão na Favela São Rafael. A remoção está marcada para o próximo dia 22 deste mês e os moradores não têm ideia do que fazer.

Em 2009, a Prefeitura anunciou uma verba de R$ 67 milhões para urbanização da São Rafael, mas até hoje não saiu do papel. Após o anúncio, dobrou o número de moradores no local. A informação é do presidente da Associação Moradores da Vila São Rafael (AME), Gilson Souza Santos, que participou da reunião semanal da Comissão de Obras, nesta quinta-feira, 13.

Segundo o diretor da AME, Mauricio Moreira Ribeiro, a comunidade não quer ser surpreendida na hora da remoção. “Lá não tem barraco, tem puxadinho de barraco. De tanto que aumentou o número de famílias depois de 2009”, disse. Ribeiro espera que a reunião possa trazer uma resposta viável para o problema e sirva também para dar visibilidade à questão, a ponto de a Prefeitura a tomar uma atitude.

A dona de casa, Porciana Cristina de Melo, mora na Vila São Rafael há 33 anos falou do medo da população. “Nós estamos vivendo o medo de que cheguem lá, nos despejem com nossos filhos e a gente não tenha para onde ir”, disse.