Praticando amor no casamento

Por Ana Paula Guerra A. Silva, analista judiciária e escritora.
Escreve em https://m.facebook.com/cronicasdodiaadiabyanapaula
e Instagram @ana_paula_guerraa

As pessoas anseiam intensamente serem amadas pelo cônjuge, mas muitas esperam que o outro tome a iniciativa. Decida você, então, despertar o que há de melhor no seu cônjuge!

Pequenas gentilezas podem salvar um casamento. Estar atento às necessidades da sua esposa é ser gentil. Valorizar seu marido é ser gentil. Falar um ao outro com respeito é essencialmente gentil. Quando há pratica do amor num casamento, tanto o marido como a mulher buscam agir de forma a tornar melhor a vida do seu cônjuge. Quanto mais gentil você for, mais gentileza receberá de volta!

Honestidade é fundamental. Seja transparente. Pequenos gestos de omissão de informação e desonestidade não são insignificantes e podem levar a ressentimentos ou abalos de confiança. Seu cônjuge precisa confiar em você.

Escolha ser humilde. Um espírito humilde permite que você admita quando estiver errado(a), peça perdão e busque conserto. Ao contrário, o orgulho agride e ofende. Quando você admite estar errado(a) e pede perdão, buscando efetivamente mudança, seu cônjuge perde a motivação para te acusar. Além disso, humildade proporciona valorização do outro e não só a sua autovalorização. Humildade é a paz interior de quem não se importa em se diminuir para afirmar o valor do outro.

O fornecimento do perdão fortalece a humildade, já que nasce de um amor que não procura seus próprios interesses e não guarda rancor (1 Coríntios 13:4-5) nem “contabiliza erros”.

Paciência é necessária, porque suporta frustrações, dá espaço para um compreender o outro e evita acusações que despertam o que há de pior no casal.

O amor é uma atitude que leva à mudança de comportamento. Pense nisso!

“Mas a sabedoria que vem do alto é antes de tudo pura; depois, pacífica, amável, compreensiva, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial e sincera”. – Tiago 3:17.