Prefeito Guti me chamou ao gabinete para esclarecer sobre a notificação

Estive no evento de assinatura do convênio da Prefeitura com o Creci-SP, no auditório do Bom Clima. O prefeito Guti me viu lá e pediu à sua assessora que me convidasse a ir ao gabinete conversar com ele, para explicarsobre a notificação extrajudicial que me enviou.

Recebeu-me muito bem e disse que me chamou para esclarecer que tem muito apreço e respeito pelo nosso trabalho e que, de forma alguma, tentou agir no sentido de cercear a liberdade de imprensa.

Afirmou que tem uma assessoria jurídica na qual confia muito, à qual dá carta branca. Não negou que tivesse conhecimento da notificação. Disse que foi dele a determinação para que fosse extrajudicial, porque sabe da seriedade do meu trabalho.

Aceitou a sugestão dos advogados, por entender que era necessário deixar claro que os resultados de uma enquete não têm validade, por não obedecer a critérios científicos de amostragem.

Argumentei que bastaria alguém da assessoria dele me ligar, que eu faria o ajuste no texto, sem necessidade alguma de usar advogados e notificação para isso. Ele admitiu que teve a chance de tratar disso pela Subsecretaria de Comunicação, mas que nem falou com o subsecretário a respeito do assunto.

Como tenho escrito, reafirmei a ele que não tenho nada contra ele e que, na condição de munícipe, contribuinte e empresário da cidade, torço pelo êxito da gestão, pois, afinal, quanto melhor for a cidade, melhor será para minha família, para a população em geral e para o desenvolvimento de minha empresa.

Citei exemplos de casos ocorridos com outros prefeitos, como Elói Pietá e Oswaldo De Carlos, aliás, narrados em meu livro, nos quais, para dar voz às queixas vindas do povo, houve desconforto no relacionamento com quem estava no poder naqueles momentos.

Com isso, deixei claro a ele que a população sempre tem mais a reclamar do que a elogiar e que é natural que um veículo de comunicação independente dê voz ao que o povo tem a dizer, papel que entendo fundamental para quem escolhe o Jornalismo como profissão e missão.

Elogiei a atitude dele de me chamar para essa conversa. E faço aqui este relato, por entender que é meu dever fazê-lo, com total transparência.

Valdir Carleto

(foto: arquivo)