Prefeitura afirma que tratamento de esgoto cresce 566% na atual gestão

Obra de galeria de águas pluviais na av. Antônio Bardella, em Cumbica - Foto: Márcio Lino/PMG

Segundo a Prefeitura de Guarulhos, o tratamento de esgoto na cidade, que correspondia no início de 2017 a 2,12% do total produzido, cresceu para 12% ao final do primeiro semestre de 2019, o que significa um aumento de 566% durante a gestão do prefeito Guti, que investiu, nesse período, R$ 53,7 milhões em coletores-tronco, que levam o esgoto até as três estações de tratamento (ETEs) da cidade.

O Instituto Trata Brasil divulgou nesta terça-feira, 23, seu ranking anual de saneamento com dados referentes a 2017, que mostram um tratamento de 3,24% naquele ano. O baixo índice à época reflete a falta de investimentos durante anos nos coletores-tronco. Houve a construção apenas das três ETEs de Guarulhos: São João, Bonsucesso e Várzea do Palácio, mas elas ficavam subutilizadas justamente por não receberem o esgoto coletado das residências (por falta de conectores).

Em maio de 2018, o governo Guti firmou um novo Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Estado (MPE) que prevê a universalização do tratamento de esgoto em Guarulhos até 1º de janeiro de 2026. Ao final de 2020, a cidade já deverá tratar 40% de seus dejetos. O TAC anterior, firmado pelos ex-prefeitos Sebastião Almeida e Elói Pietá, ambos do PT, previa tratar 80% do esgoto até o final de 2017, mas ficou longe de ser cumprido devido à já citada falta de investimentos.

Abastecimento de água

Os dados do Instituto Trata Brasil mostram ainda que, ao final de 2017, 99,95% das residências de Guarulhos eram abastecidas com água, contra 99,84% no ano anterior. Trata-se de um número superior até mesmo ao da Capital, cujo abastecimento engloba 99,3% das residências. No perímetro urbano, 100% dos moradores de Guarulhos são abastecidos.

Tarifa

Ainda segundo a Prefeitura, na Região Metropolitana de São Paulo, Guarulhos é a que possui a menor tarifa de água e esgoto. O guarulhense paga, em média, R$ 2,71 por m³ (1.000 litros) gasto de água, contra R$ 3,86 na cidade de São Paulo. A taxa mínima em Guarulhos, para um consumo de até 10 m³, é de R$ 43,46, contra R$ 50 na Capital, o que significa que o guarulhense tem uma conta de água 15% menor do que o paulistano. Além disso, não haverá aumento da tarifa neste ano em Guarulhos, compromisso firmado pelo prefeito Guti ao final de 2018, quando a Sabesp assumiu a distribuição de água no município.

*Com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Guarulhos