Professor do Conservatório de Guarulhos faz mestrado em jazz na Flórida

O professor de música licenciado do Conservatório Municipal de Guarulhos, Adolfo Mendonça, está na Flórida, nos Estados Unidos, onde é mestrando do curso de Jazz da University of South Florida. Ao longo dos últimos meses Adolfo vem se dedicando a uma série de recitais de piano e masterclasses, como aconteceu em outubro do ano passado, ocasião em que fez apresentações em Guarulhos, São Paulo, Santos e Bertioga.

Neste ano, a intensa agenda de recitais prevê novas apresentações pelo sul da Flórida, além de temporada no Brasil, com espetáculos que vão acontecer em março, na Universidade Estadual Paulista (Unesp) e EM&T – Escola de Música e Tecnologia, em São Paulo,  e nos Conservatórios de Guarulhos e Cubatão.
“Em março teremos um recital no qual apresentarei diversas músicas ao piano, tocando jazz e música brasileira no formato instrumental. Em determinados momentos aproveitarei os intervalos entre as músicas para falar um pouco sobre elas, sobre elementos que são estudados nesses estilos musicais e sobre como foram adaptadas ao piano”, comenta Mendonça.

A novidade desta etapa são as apresentações que Adolfo faz como integrante do USF Jazztet em festivais que acontecem em Paris e Lyon, na França, no mês de junho.

Intercâmbio

Adolfo fala sobre a riqueza dessa experiência no exterior, sobre sua formação, o valor do intercâmbio, a aprendizagem e como tudo isso se relaciona com o ensino de música em uma grande cidade como o município de Guarulhos.

“Toda minha formação até o momento aconteceu no Brasil. O Brasil tem boas escolas de música, em que é possível se atingir um nível profissional. No entanto, a forma como o jazz é ensinado ainda está abaixo da forma como isso acontece nos Estados Unidos, uma vez que este é o lugar onde esse estilo foi criado”, disse.

EUA

A cultura norte-americana tem público cativo que ouve jazz.

“O jazz é a música popular nos EUA, tal como a bossa nova, ou o samba no Brasil. Já existe um grande público formado que procura apresentações desse estilo. Minhas apresentações nos EUA são atividades associadas à University of South Florida, assim como a turnê que será realizada na França, nas cidades de Lyon e Paris. Temos aqui, nesta universidade, músicos de altíssimo nível em seus programas de bacharelado e mestrado”, comenta.

O professor dá muito valor à formação e ensino de música no Brasil. “A experiência no Conservatório Municipal de Guarulhos, como professor de piano, foi bastante rica para mim e, em contato com alunos de diversos níveis e idades, acredito que serviu para aprimorar a forma como eu ensino”, disse.

Dicas

Questionado sobre dicas para estudar no exterior, Mendonça enumera algumas: “O detalhe mais importante é que você não pode começar seu planejamento quando estiver próximo da data em que deseja estudar. Eu me planejei por três anos, para realizar um curso que dura dois. O primeiro passo é saber para qual país se deseja ir e, dessa forma, pesquisar quais são as universidades que oferecem seu curso naquele lugar. Em segundo lugar, pesquisar a respeito de quais serão os custos necessários e oportunidades de bolsas, descontos ou trabalho nas universidades disponíveis. Por fim, existe um processo seletivo que, dentre outros requerimentos, inclui uma audição. Cada universidade tem específicos “standards” quanto ao nível dos estudantes admitidos. É necessário saber a fundo quais são os requerimentos para cada universidade e qual o nível que se espera. O ideal é se inscrever em diversos lugares. Eu fui aprovado em três universidades, e escolhi a University of South Florida”, indica.

Planos

Sobre seus planos futuros, o estudo e ensino de jazz seguem no topo. “Eu desejo continuar a colaborar com brasileiros que querem aprender jazz, fornecendo uma parte do conhecimento aqui adquirido. Além disso, gostaria de ajudar a capacitar professores de música que ensinam ou querem ensinar de jazz, reciclando as técnicas que adotam para tal”, finalizou ele.