Texto e fotos: Jônatas Ferreira

Sinopse de Uma História de Solidão:

Primogênito de um lar disfuncional na Irlanda, o inocente Odran Yates vai estudar em um colégio que prepara garotos para a vida eclesiástica. Ao relatar sua jornada, da ingenuidade dos primeiros anos de colégio à descoberta dos segredos mais bem guardados da Igreja, Odran descreve uma Irlanda cheia de contradições e ódio por trás de uma fachada de bons costumes.
Enquanto lida com as implicações de seu trabalho e o sofrimento das pessoas que ama, o padre Odran se convence de que era inocente demais para entender o que acontecia ao seu redor e tenta fazer um acerto de contas com a própria consciência.

Resenha:

John Boyne nos traz através das letras uma sombria polêmica em forma de uma envolvente história.

John Boyne – autor de Uma História de Solidão

Boyne escreve de forma clara o que se passa com o clérigo da igreja católica, o lado negro, como a pedofilia. Mas ao mesmo tempo mostra que existe o lado bom, o humano. E o padre Odran Yates é a parte que muitos esquecem: aquela que só deseja cumprir o seu ofício em paz.

Com o escândalo de padres abusando de menininhos indefesos, chame de coroinhas ou o que quiser, a Irlanda se volta contra as batinas pretas e anseiam pela destruição da Igreja Católica com o total apoio da mídia. Isso faz com que Yates sofra a consequência da ‘classe’, como ser agredido por simplesmente ser padre.

O autor fez questão de mostrar a sujeira da Igreja, mas sem deixar de falar sobre a solidão que cerca a vida dos sacerdotes dedicados a Santa Fé. Assuntos como o celibato são também abordados com profundidade no livro. O livro é extremamente reflexivo e no final você com toda certeza pensará duas vezes antes de generalizar uma situação.

Aliás, não posso esconder que a obra é uma crítica direta a Igreja Católica.

A narrativa é triste, sentimental. É difícil não se emocionar ao acompanhar Odran narrar sua vida – primeira pessoa – desde a meninice até a velhice. A história nas primeiras páginas fica um pouco empurrada, mas o texto é fluído e você acaba passando sem perceber. Aos poucos o enredo vai sendo desenvolvido e você vai se interessando pelo assunto. O livro tem ao todo 416 páginas e as folhas passam sem você sequer perceber.

A edição fica por conta da Compainha das Letras. A capa segue o estilo da internacional e retrata uma cena muito, mas muito forte do livro – marcante na vida do personagem. Com folhas amareladas, orelhas e letras do título em alto-relevo a edição segue o padrão da editora.

Confesso ser esse o primeiro livro lido do autor, apesar do estrondo sucesso de O Menino do Pijama Listrado. E só tenho uma palavra para descrever: excelente. A fórmula foi simples, mas o toque do autor ao tratar do assunto foi extremamente formidável. Já estou procurando outros títulos para poder acompanhar o trabalho dele.

Uma História de Solidão é lançamento no Brasil e esse é o tipo de livro que sem dúvida alguma merece estar na cabeceira da sua cama!