Saae apertará cerco contra grandes consumidores que sonegam despejo de esgoto

Boa parte das empresas e dos estabelecimentos comerciais instalados em Guarulhos não utiliza os serviços de abastecimento do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae). Ao invés disso, usam fontes alternativas como poços artesianos ou caminhões-pipa, inexistindo no local, em alguns casos, hidrômetro de água instalado. Embora não utilizem a água fornecida pela autarquia, todos eles descartam seus efluentes na rede de esgoto da cidade. Deste modo, o serviço de coleta e tratamento do esgoto tem sido feito sem qualquer contrapartida até o momento.

A partir da segunda quinzena de agosto o Saae Guarulhos começará a cobrar pela coleta de esgoto dessas empresas e comércios levando-se em consideração a quantidade de efluentes lançada na rede. Atualmente, a coleta de esgoto é cobrada na mesma proporção da distribuição de água.

Há casos de grandes empresas, do setor químico, por exemplo, que consomem grande quantidade de água, mas que pagam o mínimo cobrado de uma indústria (10 m³), que é R$ 88,98, sendo R$ 44,49 de água e a mesma quantia de esgoto. Uma empresa que compre água de fontes alternativas ao Saae pagará apenas R$ 44,49 de esgoto, mesmo que despeje na rede muito mais do que o mínimo. Há mais de uma centena de grandes indústrias na cidade já identificadas, por exemplo, que consomem água de fontes alternativas e depois a despejam na rede de esgoto, mas que pagam a taxa mínima. A partir de agora isso acabará.

Serão instalados medidores nas saídas de esgoto para realizar esse cálculo. De início os equipamentos de medição serão provisórios. Eles ficarão 30 dias a fim de ser traçado o perfil do consumidor. Após esse período, será instalado um medidor definitivo para realizar a cobrança de todo o esgoto descartado. O equipamento também evitará cálculos por estimativa. Essa ação visa ao equilíbrio econômico-financeiro da autarquia, que poderá investir o dinheiro obtido com a cobrança da coleta de esgoto, por exemplo, na expansão da rede adutora de água e no próprio tratamento dos dejetos produzidos no município.