Saúde reforça ação de combate à dengue

Secretaria de Saúde intensifica ação de combate à dengue - Foto: Fábio Nunes Teixeira/PMG

Enquanto cidades do interior do Estado já contabilizaram mais de 2 mil ocorrências de dengue neste ano – como é o caso de Andradina, no noroeste paulista – Guarulhos tem até o momento 19 casos confirmados. No município, o trabalho de combate ao mosquito transmissor, Aedes aegypti, é feito pelos profissionais de Saúde, que estão visitando as casas, eliminando criadouros e orientado a população. Por isso, a Secretaria de Saúde pede a colaboração de todos para não acumular água parada, bem como para que permitam a entrada dos agentes nos imóveis.

Ação de combate ao Aedes Aegypti – Foto: Fabio Nunes Teixeira/PMG

Os agentes de saúde são uniformizados, portam crachás e, em caso de dúvida, a pessoa pode ligar para o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), no telefone: 2436 3666. Um vídeo com orientações para a população também foi produzido pela Prefeitura e pode ser acessado nos canais oficiais do município no Facebook e no YouTube. Nele, a bióloga do CCZ, Patrícia de Oliveira, faz um apelo: “Por favor, abram as portas para os nossos agentes de serviços de saúde. Uma vez que temos 30% de casas com recusa e 20% de casas fechadas”.

O combate à dengue está entre as 10 prioridades da Organização Mundial de Saúde (OMS) para 2019. Estimativa da OMS aponta que 40% de todo o mundo está em risco de contrair o vírus da dengue, o que corresponde a cerca de 390 milhões de infecções por ano. A estratégia da OMS para controlar a doença visa reduzir as mortes em 50% até 2020.

No Estado de São Paulo, vários municípios já estão em estado de alerta por conta do avanço da dengue, como, por exemplo, Bauru e Agudos. Outros já decretaram situação de calamidade pública, como São Joaquim da Barra, onde quatro pessoas morreram com suspeita da doença este ano.

Guarulhos registrou aumento de 5,55% dos casos confirmados de dengue entre a primeira e a sétima semana epidemiológica deste ano em comparação com o mesmo período de 2018.  Portanto, para que a cidade fique livre de uma epidemia, a população tem de fazer sua parte, inspecionando rotineiramente sua casa, para eliminar possíveis criadouros.