Sou contra o novo aterro e rejeito a pecha de incoerente e hipócrita

Centro de Disposição de Resíduos Pedreira (Foto: Veolia - https://bit.ly/2s3mk0q)

Terminou em confusão a audiência pública realizada, segunda-feira, 11, na Câmara Municipal, para debater a implantação da expansão, em Guarulhos, do aterro sanitário da CDR Pedreira, ligada à multinacional francesa Veolia.

Moradores da região do Cabuçu, contrários à instalação da nova área de deposição de detritos, ficaram irritados com o representante da CDR Pedreira, Valdir Akasaua, que, ao defender o aterro com argumentos técnicos, disse que quem é contra “é incoerente e hipócrita”.

Talvez ele tenha pretendido se referir a determinados setores ou personagens, como parlamentares do PT, que supostamente estariam buscando holofotes para suas ambições eleitorais ao se posicionarem contra as pretensões da empresa francesa.

No entanto, ao classificar assim, indiscriminadamente, todos que se opõem à instalação do aterro, ele, como porta-voz da CDR, ofendeu a todos que se sentem prejudicados com a pretendida obra. Incluem-se aí militantes pelas causas do meio-ambiente, moradores dos bairros vizinhos e tantos outros que têm todo o direito de manifestar sua opinião.

Na condição de cidadão e de jornalista, desde o primeiro momento em que se ficou sabendo que a Veolia pretende expandir seus domínios em Guarulhos, fiquei contra e fui claro nesse sentido. Entendo que nossa cidade já tem pela frente o sério problema da curta vida útil do aterro sanitário que recebe os resíduos de quase 1,4 milhão de habitantes. E não é justo nem correto que uma empresa que recolhe lixo de São Paulo e diversas outras cidades venha depositar em Guarulhos todo esse material. Tenho consciência de que não se trata de um lixão, como alguns setores propagam. Sei qual a diferença para um aterro sanitário, construído e controlado de acordo com as exigências legais. Mesmo assim, sou contra, com o agravante de que a empresa que, emergencialmente, foi contratada para fazer a gestão do aterro sanitário de Guarulhos pertence ao mesmo grupo. A tendência, desconfio, é acabar juntando uma área à outra.

Mantenho minha posição contrária e rejeito o rótulo de incoerente e hipócrita. Por mais que esteja evidente que, pela força econômica que tem, a empresa conquistou o apoio da maioria da classe política local, bem como da mídia. Será muito difícil barrar suas pretensões, a não ser que os contrários consigam uma vitória no Judiciário, pois Executivo e Legislativo já mostraram de que lado estão.

Incoerente é ser eleito para defender o povo e advogar em favor de grupos econômicos. Hipócrita é fazer discursos bonitos e nos bastidores agir em sentido contrário.

Respeitando o contraditório, o espaço fica aberto à manifestação da empresa.

Valdir Carleto

 

Segue link do jornal Folha do Ponto, que contém mais informações sobre a audiência pública, as ofensas do representante da empresa e a reação dos contrários: