‘Trenzinho da Cantareira’ circulou por 50 anos entre Guarulhos e São Paulo

Falta de planejamento e de visão de futuro retardou em 53 anos o retorno dos trens de passageiros à cidade

No dia 31 de maio de 1965, o saudoso “trenzinho da Cantareira”, da Estrada de Ferro Cantareira (montada pela canadense Tramway), cantado em versos pelo também saudoso Adoniran Barbosa, na icônica “Trem das Onze”, fazia a sua última viagem entre os ramais Tucuruvi (em São Paulo) e Guarulhos. Era o fim de meio século de atividade. A falta de planejamento e de visão do futuro deixou Guarulhos sem transporte sobre trilhos por mais 53 anos (as estações Parque Cecap e Aeroporto, da Linha 13 Jade, da CPTM, só foram inauguradas em março deste ano, 2018). O Anel Viário, que liga a Vila Galvão ao Parque Cecap, foi traçado e pavimentado sobre os antigos e desativados trilhos e dormentes da estrada de ferro.

Funcionário posa ao lado da locomotiva na Estação Vila Galvão – Foto: Arquivo Histórico

Traçado

O marco inaugural do ramal Guarulhos, que se estendeu pelas estações Vila Galvão, Torres Tibagy, Vila Augusta, Gopoúva, Centro e Base Aérea de São Paulo (Basp, em Cumbica), se deu no dia 4 de fevereiro de 1915. Ele era uma extensão da estação do Areal, na Capital, conectada pela intermediária Tucuruvi, aberta em 1913. O limite entre a zona Norte de São Paulo e Guarulhos era a antiga estação Guapira, depois denominada Jaçanã. Centenas de milhares de passageiros foram transportados por 50 anos entre os dois importantes municípios da Grande São Paulo.

Inauguração

Segundo reportagem do site São Paulo Antiga, “(…) com muita pompa e a presença de diversas autoridades deu-se a inauguração da Estação Guarulhos do Trem da Cantareira. Em trem expresso que saiu da estação Mercado em São Paulo, estava o prefeito paulistano, Washington Luís, diversas autoridades municipais e estaduais, além do Dr. Torres Tibagy, engenheiro chefe do Tramway da Cantareira. Na outra extremidade da linha férrea aguardavam na plataforma da estação diversas personalidades guarulhenses, como o prefeito de Guarulhos, (Capitão) Gabriel José Antonio, e o presidente da Câmara Municipal, Felício Marcondes”.

História

Sidnei Pereira, em artigo publicado em maio de 2015 no blog Mural, da Folha de S. Paulo, afirma que “(…) A ferrovia (Tramway) foi inaugurada em 1894 apenas para viabilizar a construção de reservatórios de água na Serra da Cantareira (que à época sofria com desabastecimento), mas logo a população pediu que o trem substituísse o transporte público de bondes puxados a burro. No início, foi usada para passeios nos domingos e feriados. Com o tempo, as viagens passaram a ser diárias”.

Desativação

O jornal O Estado de S. Paulo apontou em reportagem de Luiz Felipe Barbiéri, em setembro de 2015, a inviabilidade econômica para manutenção da ferrovia. “Em 1965, após décadas de serviço e milhões de passageiros transportados, toda a linha Tramway foi desativada. Dois mil passageiros eram transportados por dia, em média, mas o movimento não era suficiente para cobrir as despesas mensais da companhia”.