Tudo acaba em pizza e em pão

Uma massa redonda quentinha, coberta com molho de tomate e recheio de queijo muçarela, parmesão ou gorgonzola, podendo ser também de calabresa, chocolate ou banana. São centenas de combinações que fartam a mesa e deixam a todos, sem distinção, com os olhos desejosos por um pedaço. Si, parlo di una buona pizza, il mio amico!

A pizza é um dos pratos mais queridos dos brasileiros e, sem dúvida nenhuma, um dos alimentos mais democráticos do mundo. Com a variedade de molhos e a criatividade na hora de rechear, a massa redonda agrada aos mais diversos gostos, sendo a escolha do jantar a dois, na confraternização entre os amigos ou na solidão de uma sexta-feira. Enfim, quando o assunto é comida, tudo pode acabar em pizza.

Consagrada em todo o mundo, a iguaria principiou sua decolada mundial em Nápoles, na Itália, ainda no início do primeiro milênio de nossa Era, quando o alimento era popular entre as classes mais humildes. No século XVIII, o prato tornou-se mais famoso entre toda a população da cidade, surgindo então, em 1830, a primeira pizzaria de que se tem registro, estando até hoje em funcionamento. Na época, o restaurante era ponto de encontro de grandes nomes, como Alexandre Dumas, autor do clássico “Os Três Mosqueteiros”.

Já com o formato redondo, ganhou a fama de vez pelas mãos de Rafaelle Esposito, o pai da pizza moderna. Em 1889, o pizzaiolo serviu à rainha Margherita de Sabóia uma pizza, a qual enfeitou com as cores do “país da bota” usando queijo (branco), manjericão (verde) e tomate (vermelho). O prato agradou tanto a monarca que recebeu o nome de “Margherita”, sabor até hoje muito apreciado pelos italianos – e pelos brasileiros, é claro.

Brasil

Antes de conquistar as terras tupiniquis, a pizza era mais restrita às colônias de imigrantes italianos. Entretanto, foi em 1950 que a redonda começou a ser disseminada por São Paulo até conquistar o paladar de todo o País.

A paixão é tanta que o prato é comemorado no dia 10 de julho, desde 1985, instituído pelo então secretário de turismo Caio Luís de Carvalho.

Vale ressaltar que, apesar de ser tradição italiana, é do outro lado do mundo que a paixão tem sua fidelidade garantida. Brasil e Estados Unidos são os países que mais consomem pizzas no mundo. Segundo levantamento da Apuesp (Associação Pizzarias Unidas do Estado de São Paulo), diariamente são consumidas 1 milhão de pizzas no País, sendo 572 mil só em São Paulo. Aliás, a capital só perde no consumo para Nova Iorque.

Curiosidades em fatias

• Aproximadamente entre 5% a 10% dos pedidos são de pizzas doces;
• Sushi, alface, whey protein e batata frita são alguns dos sabores diferentes da pizza;
• As pizzas mais queridas em São Paulo são muçarela, calabresa, portuguesa e frango com catupiry;
• O setor gera 360 mil postos de trabalho, com faturamento em torno de R$ 22 bilhões por ano.
*Dados de levantamento feito em 2016 pela Apuesp.

Pizza de 10

A criatividade brasileira vai além da criação de sabores. Faz sucesso a “pizza de 10”, alardeada por motoqueiros nas ruas. Porém, com todo respeito a quem vive disso, além do ruído às vezes incômodo, geram dúvidas as condições de higiene em que são preparadas. Afinal, diferente do que ocorre nas pizzarias, quem as consome não tem como avaliar essa importante questão.

Mamma Mia!

Tão querida quanto o “pão nosso de cada dia”, a pizza ganhou o paladar do brasileiro. Para aproveitar o Dia da Pizza (comemorado em 10 de julho) em grande estilo listamos alguns estabelecimentos da cidade para você visitar ou fazer pedido por delivery.

Zazá Pizzaria

Inaugurada em 1978, a Zazá é uma das mais antigas pizzarias da cidade. O grande diferencial da casa são a pizza gigante – com 10 fatias – e as opções gourmet. Caso o cliente queira, também é possível pedir a “redonda” de oito ou seis pedaços. Entre os inúmeras alternativas do menu, destacam-se “Mignon d’Felicce”, com cream cheese Philadelphia, tiras de mignon, bacon e pimenta biquinho; “Abobrinha Paris”, elaborada com lascas finas de abobrinha à dorê, queijo brie, parmesão e tomatinho sweet grape; “Premiatta”, feita com muçarela, parmesão, champignon, queijo brie, presunto Parma, manjericão e tomatinho sweet grape; berinjela à parmegiana e camarão. Todos os sabores de pizza também são feitos como esfiha. Além das pizzas salgadas, há ainda as doces, como brigadeiro, Prestígio, Sensação, banana, ice cream e MM’s. Abre diariamente, das 18h à 0h e faz rodízio às segundas e terças. Informações: 2409-0102 / 2440-6170. Endereço: Avenida Salgado Filho, 441, Centro.

Alameda Real

O restaurante, bastante conhecido por seus pratos à la carte, também é especialista em pizzas. Com massa fina, crocante e assada no forno a lenha, destacam-se como carros-chefes os sabores “Alameda”, com muçarela, presunto, palmito e ervilha; “Do Chefe”, feita de palmito, catupiry e salsa; e a “Vegetariana”, composta por tomate, milho, palmito, ervilha, brócolis, champignon, muçarela e cebola. Também há pizzas doces. As pizzas são servidas de terça a sábado, das 18h às 23h30. Delivery aos sábados, das 18h às 23h. Informações: 2453-4510 / 2453-4666 / 94146-8213 (WhatsApp) Endereço: Alameda Yayá, 468, Torres Tibagy.

Domino’s

Há 50 anos no mercado e com 12 mil lojas instaladas em mais de 80 países, há quatro anos, a famosa rede americana desembarcou na cidade e tornou-se uma das pizzarias queridinhas dos guarulhenses. As pizzas são preparadas com massa fina, tradicional e pan e, entre os sabores preferidos da clientela, estão as pizzas de pepperoni e a Extravaganza, feita com muçarela, pepperoni, presunto, azeitona preta, champignon, cebola e pimentão verde. Nas opções doces: brotinho de chocolate, chobread e dipps. O salão e a retirada no balcão funcionam diariamente, das 18h à 0h e o delivery das 18h30 às 23h30. Informações: 4969-0101. Endereço: Avenida Salgado Filho, 981, Vila Progresso.

Pallazze Pizzaria

Com mais de 80 sabores de pizzas e esfihas no menu, a casa funciona no sistema delivery. Destaque para o sabor carne seca, em que a carne é refogada com cebola e alho e que leva muçarela ou catupiry; de abobrinha com muçarela de búfala, gratinada com parmesão; e a de alcachofra com alcaparras e cobertura de catupiry ou muçarela. Há ainda opções doces, como banana com leite condensado e canela; Romeu e Julieta feita com goiabada, muçarela, leite condensado e canela; sendo o principal destaque a de Nutella com morangos. Funciona de domingo a quinta, das 18h às 23h30; sexta, sábado e feriados, das 18h à 0h. Informações: 2422-4144 / 2414-0003 / 2414-1670 Endereço: Av. Guarulhos, 1.573, Vila Augusta.

Pão quentinho! Quem não gosta?

A ligação entre o pão e o homem vem desde a Antiguidade. Estima-se que este alimento, tão frequente no dia a dia das pessoas, surgiu há cerca de 12 mil anos. Presente em diversas culturas, o pão é um dos alimentos mais queridos em todo o mundo. No Brasil, o pão começou a se popularizar no século 20, com a imigração italiana.

Hoje, em todo o País, há cerca de 63 mil padarias, segundo levantamento feito em 2015 pela Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (Abip). E com tantos estabelecimentos ao gosto do freguês, é essencial que os pães, sejam eles francês, croissant ou integral; de queijo ou doce, estejam fresquinhos.

A Revista Weekend buscou conhecer como funciona o dia a dia de um padeiro; afinal, existe todo um processo cuidadoso antes dos pãezinhos chegarem quentinhos às casas.
Para isso, procuramos Marco Antônio Pires, 50 anos, sócio da padaria Nova Guarulhos e que conhece o cotidiano de uma panificadora há mais de 30 anos. “Quando aprendi a fazer pão, com 14 anos, era tudo equipamento pesado e de madeira, além de ser forno a lenha. Não existia maquinário. Hoje existe muito mais segurança e facilidade”, comenta. Marco Antônio conta que produz diariamente cerca de cinco mil pães. A maior procura é logo no comecinho da manhã, das 6h às 8h, ou entre o fim da tarde e início da noite.

Criado dentro da padaria do pai, Marco Antônio conta que muita coisa mudou na produção de pães, principalmente com a industrialização. “Eu aprendi a fornear pão com aquelas pás grandes, no fogão a lenha. Tinham tabuleiros de madeira e lonas”. Marco Antônio apresentou a cozinha à Reportagem da Weekend, que precisou acordar cedo para acompanhar a rotina da panificadora que está localizada na avenida Guarulhos há pelo menos 24 anos.

Todo o processo começa num equipamento chamado masseira. Os ingredientes são misturados por cerca de cinco minutos. Para produzir a massa, os insumos variam de um estabelecimento para outro. Geralmente, é preciso usar melhorador de farinha, fermento, sal, açúcar e banha, além de uma farinha de qualidade para fazer o tradicional pão francês.
Quem acompanha todo o processo na Nova Guarulhos é o alagoano Cícero de Oliveira, de 60 anos, que trabalha em padaria há 42 anos. Para que as pessoas possam ter os pães fresquinhos no café da manhã, ele conta que precisa estar de pé às 3h30. “Preciso chegar ao trabalho às 5h”.

O próximo passo é levar a massa para o cilindro para que ela seja alisada. Oliveira conta que precisa ter jeito na hora de manuseá-la para que a embira, como são chamadas as tiras que saem da máquina, estejam bem elásticas. “O segredo é passar o dedo depois que ela passa pelo cilindro; se ela rasgar ou quebrar, significa que ainda não está boa”, conta o profissional, que depois de alisar a massa diversas vezes, a coloca para descansar por pelo menos trinta minutos. “A massa precisa estar sempre coberta para proteger do vento, senão quando ela for forneada vai ficar com a casca grossa”.

Com a massa descansada, ela passa pela modeladora, onde os pães saem ainda um pouco diferente do formato que conhecemos. A próxima etapa é deixa-los descansando por mais um tempo para então ir ao forno. “A espera nos carrinhos vai depender da temperatura. Se tiver frio, fica mais de uma hora. Se estiver calor, em alguns minutos já vai estar pronto para assar”, explica o padeiro.

Os pães são levados ao forno sob 210 graus. Enquanto eles estão sendo assados, é jogado vapor gelado, que causará choque térmico. Assim é formada a casca. Não demorou muito para que o cheiro pudesse ser sentido a distância. Irresistível e inconfundível: eram os pãezinhos franceses que tinham acabado de sair do forno na padaria Nova Guarulhos.

Olha a “padoca”

A princípio, nossa intenção era indicar apenas um item do cardápio desses lugares, mas, caro leitor, diante da grande variedade de pães, salgados, doces e outros quitutes, ficou difícil eleger apenas um único produto. Sendo assim, na sequência, você confere um pequeno roteiro de tradicionais padarias da cidade.

Padaria Nova Guarulhos

De portas abertas há mais de 30 anos, além de ser bem conhecida na cidade, a padaria Nova Guarulhos é tradicionalíssima na região da Vila Augusta. Obviamente, o destaque vai para o pão francês, mas quem vai ao estabelecimento também encontra outros tipos de pães, como o italiano tradicional e os recheados. Há ainda mais opções: catarinas doces e salgadas, bolos secos e confeitados, baguetes, tortas salgadas e doces e uma linha de pães light e bolos sem lactose. Além das várias opções, a casa tem espaço para refeições à la carte, balcão para cafés, lanches rápidos, pizza em pedaço de diversos sabores e, aos finais de semana, frango assado com batata e farofa. Funciona diariamente, das 6h às 22h. Informações: 2422-7188 Endereço: Rua Albino Fantazzini, 90, esquina com a avenida Guarulhos, Vila Augusta.

Maria Cereja

A Maria Cereja faz parte da vida dos guarulhenses há 25 anos. E quem vai ao local consegue encontrar o que tem de melhor em padaria, restaurante, doceria, lanchonete e até pizzaria. O pãozinho francês é um dos mais solicitados, mas a variedade de produtos é tão grande que fica difícil levar apenas esse único item para casa. Em datas comemorativas, como Natal e Páscoa, a padaria costuma produzir panetones e colombas de marca própria, e as receitas fazem sucesso entre a clientela. A doceria é um capítulo a parte. Há bolos e doces para todos os gostos. Na parte de lanches, destaque para o Miró, Goya e Picasso. No menu de pratos, por exemplo, os preferidos são o Timóteo Penteado e o Paulo Faccini. O cardápio do estabelecimento é tão completo, que é possível aproveitar do café da manhã até o jantar: no período da noite, as pizzas inteiras ou em pedaço são as mais procuradas. Informações: 2443-2202. Endereço: Avenida Paulo Faccini, 1.287, Centro.