Tudo industrial, artificial, parece até normal

As canções da Kronix são feitas pra gerar reflexões. Pensar, fazer conexões, tomar decisões por si próprio…a canção Super não foge à regra. Será que alguém pratica o exercício imaginativo de desenhar as consequências decorrentes de cada escolha alimentar?

Atualmente é fácil perceber a grande quantidade de substâncias químicas presentes na produção e conservação dos alimentos, in natura e processados. Percebe-se também uma grande quantidade de pesquisas e estudos apontando os malefícios de agrotóxicos, conservantes, aromatizantes e acidulantes para a saúde humana e do meio ambiente.

É nesse contexto que vem à tona o Projeto de Lei 6299-2002, que ainda tramita no Congresso. Trata-se de uma tentativa de flexibilizar a Lei de Agrotóxicos (7.802/89). Dentre o leque de alterações propostas, destaca-se a mudança do termo ”agrotóxico”, para “defensivo fitossanitário e produtos de controle ambiental”.

Daí surge um interessante debate. É justo produzir, gerar emprego e renda, utilizando agrotóxicos? E as consequências para a saúde pública e meio ambiente? Será que o ”natural” passou a ser ”exótico”, e o ”industrializado” passou a ser ”normal”?

O recém lançado vídeo clipe de Super mostra uma visão bem humorada da relação do ser humano com seu alimento, nesses tempos onde o ”artificial” vem sobrepondo-se ao ”natural”. Diz assim, o refrão: ”Tudo industrial, artificial, parece até normal”.