“Transportar passageiros exige regulamentação”, defende Americano

Por que o apelido “Americano”?

Eu morei um tempo nos Estados Unidos, quando passei a ter facilidade com o idioma inglês. Na volta, fui trabalhar como taxista. Sempre que alguém precisava de um intérprete, alguém dizia “Chama o Americano!”. O apelido pegou e acabei adotando-o como minha identidade.

Por quanto tempo foi taxista antes de ser eleito presidente da Guarucoop? Há quanto tempo preside a Cooperativa?

Fui taxista por 9 anos e mesmo depois de assumir como presidente, exerci a função por vários meses. E teve até um momento em que eu já estava como vereador, fui trabalhar alguns domingos a noite e de madrugada por conta de uma campanha de conscientização que estávamos fazendo na categoria. Foi uma forma de dar exemplo.

Quantos são os cooperados atuais?

São 785 cooperados. A Guarucoop pertence a eles. Mais cerca de 750 motoristas auxiliares.

Quando foi eleito vereador pela primeira vez?

Fui eleito no ano 2000 e reeleito consecutivamente em 2004, 2008 e 2012.

Quantos votos teve em 2016?

Obtive 5.234 votos. Foi minha maior votação, motivo de alegria. E de tristeza, porque mesmo assim fiquei sem mandato, pelo fato do PHS não ter alcançado o quociente eleitoral.

Diante do resultado adverso, decorrente do atual sistema proporcional, entende que ele deveria ser alterado? É a favor de haver tantos partidos?

Considerando que as pessoas votam nos candidatos e não nos partidos, creio que seria mais justo que fossem eleitos os mais votados, independentemente do desempenho do partido ou da coligação. Quanto ao número de partidos, é algo democrático, que dá mais opções ao eleitor, mas acho que fatalmente haverá uma redução daqui a algum tempo.

Como surgiu a Abracomtaxi e como é formada a associação?

A Abracomtaxi é a Associação Brasileira das Associações e Cooperativas de Motoristas de Táxi. Surgiu naturalmente, a partir de algumas mobilizações que fizemos para discutir uma questão tributária, que envolvia cobrança indevida do PIS e Cofins das cooperativas. Ali, percebemos que era importante criar uma estrutura que organizasse as demandas da categoria dos taxistas. Se o enfoque fosse quantidade ou arrecadação, teríamos milhares de participantes, mas como o foco é a participação efetiva das entidades, temos relativamente poucos membros. A despesa é mínima e a receita também. Quando há alguma necessidade maior, fazemos um rateio. A função de presidente é voluntária, não tem remuneração.

A Abracomtaxi vem se notabilizando pela defesa de regulamentação dos serviços de passageiros que usam aplicativos, como o Uber, e competem com os táxis. Quais avanços a entidade obteve até agora?

É preciso deixar claro que não somos contra aplicativos, pois fomos os primeiros a adotá-los. Muitos serviços de táxi usam aplicativos. O que combatemos é a concorrência de carros particulares, sem nenhum controle, espalhando na prática o transporte clandestino que sempre existiu e que era tratado como caso de polícia. Os artigos 107 e 135 do Código de Trânsito Brasileiro são claros ao determinar as condições de segurança, emplacamento específico e autorização do poder concedente para operar veículos de aluguel. Um ônibus clandestino transportando passageiros, por exemplo, é apreendido. Carro sem placa vermelha fazendo lotação, também. Van escolar precisa de identificação e licença. Então, como pode um carro sem nenhuma identificação atuar no transporte de passageiros? O que conseguimos na Câmara dos Deputados foi algo notório, porque um projeto de lei costuma tramitar por até 1.700 dias para ir à votação e o PL 5.587 foi aprovado na Câmara dos Deputados em 200 dias, por 226 votos a 182. Em resumo, é uma lei para criar regras para o serviço de transporte privado individual de passageiros feito através de aplicativos tipo Uber, 99 e outros. Por exemplo, que o motorista tenha CNH classe B ou superior, que seja inscrito no INSS como autônomo, que o veículo tenha seguro de acidentes pessoais para os passageiros, que recolha tributo à Prefeitura da cidade que conceder a licença e, evidentemente, que haja controle das condições de manutenção do veículo. Um táxi passa por vistoria constante, para ver como estão os pneus, freios, documentação. Quem usa um carro tipo Uber tem alguma proteção quanto a isso? Evidente que não! Isso é um perigo para os usuários, tanto é que esse é um dos serviços mais reclamados no site especializado para receber reclamações, o Reclame Aqui.

Em que pé está a aprovação desse projeto?

Agora está no Senado para apreciação e votação. Nossa perspectiva é de que seja aprovado logo e para isso a Abracomtaxi tem estado presente em Brasília, no contato direto com os senadores.

Essa regulamentação pretendida não irá encarecer o serviço desses carros?

Um pouco pode ser, mas nada substancial, que altere tanto o preço. Aliás, é bom esclarecer que quem ganha de fato com esse serviço é quem detém o aplicativo. A Uber fica com 25% líquido do valor de cada corrida. Se o motorista fizer as contas certinho, verá que ele está arcando com todos os riscos e a empresa só com o lucro. Quando ele tiver de gastar com manutenção, quando for trocar de carro, verá que o ganho foi ilusório. Portanto, mesmo sem novas regras, não dá para manter o serviço com os valores irrisórios que têm sido cobrados.

Se parte da opinião pública aderiu a esses serviços, não entende que é porque estava insatisfeita com o que os táxis tradicionais ofereciam? Acha possível reverter essa tendência?

Repito que nossa intenção não é acabar com a Uber, nem com serviços semelhantes. Queremos que haja regulamentação, que os veículos e condutores sejam identificados, passem por fiscalização e recolham tributos, como nós fazemos. Quanto à qualidade do serviço prestado pelos táxis, a concorrência é sadia e é evidente que quem quer ter clientes fiéis procura aprimorar-se. Na Guarucoop, por exemplo, a frota é sempre renovada, temos motoristas bilíngues e promovemos treinamento constante com renomados palestrantes como, por exemplo, Alexandre Slivnik, um especialista em qualidade de serviço e excelência em negócios. Estudioso do mundo Disney, no que se refere ao cuidado e preocupação com seus visitantes, para que eles possam ter uma ótima experiência em seus parques, é um dos maiores especialistas do Brasil em Disney, reconhecidamente uma das melhores empresas do mundo em qualidade de atendimento.

Quais os próximos passos?

Os membros da Abracomtaxi estão acompanhando de perto tudo que diz respeito a esse assunto no Senado e, depois de aprovado lá, o projeto precisa ser sancionado pela Presidência da República.

Há planos eleitorais que possa divulgar?

Não posso negar que tenho sido estimulado a concorrer ao cargo de deputado federal, para representar a categoria dos taxistas no Congresso Nacional e para ser um defensor dos interesses de Guarulhos em Brasília. Estou analisando as chances de vitória e admito que posso vir a enfrentar esse desafio. nn