Olhar para o céu na fria estação – José Paulo Ferrari

 

Olhar para o céu na fria estação

Vésper ou d’Alva aponta no céu, com seu brilho intenso e sua luz em constante cintilar.

Ao contemplá-la o poeta pode, ate mesmo, jurar que o mais puro amor ela esta, também, a irradiar.

Não foi sem razão que a antiga tradição dos deuses decidiu Vênus ela chamar.

Pois, seu brilho, no amanhecer e no final da tarde, inspira todos ao sublime sentimento e a rezar.

Como uma sacerdotisa, ela levanta-se com o aproximar do luar, anunciando a noite que esta por chegar.

Mas, também, desponta no amanhecer, afirmando que o dia esta por iniciar.

Sua intensa beleza seduz nossa alma que, logo, põe- se a orar. Pois, como referência, sua presença, no alvorecer e no entardecer, esta aos verdadeiros pastores em sua prece a guiar!

Ela esta lá porque é o amanhecer, o momento da esperança que a todos pode inspirar.

Ela esta lá porque é o final da tarde, que anuncia que se foi o dia, mas que, em breve, o período do repouso vai chegar.

Sua presença é o momento de silencio, mas de intensa luz para as almas nobres, que se põem de joelhos para agradecer e pelo bem suplicar!

Vênus, ou Ishtar, sempre brilha no céu, nos incitando a amar, na fria estação que esta, também, por chegar!

José Paulo Ferrari – no aproximar do Inverno de 2015.