Clima de guerrilha na EE Antônio de Ré

 

Alunos da EE Vereador Antonio de Ré, no Macedo, dizem que estão contra a reorganização, mas também são contra a ocupação. Reclamam que o grupo dos que chegaram à escola não é de alunos, nem professores dessa escola e que alunos e professores da unidade estão se sentindo ameaçados por pessoas estranhas.

Esse grupo é formado por membros do movimento estudantil e da Apeoesp, que estão pedindo reforço de seguranças do Sindicato dos Condutores Rodoviários, que nada tem a ver com Educação, para garantir a ocupação da escola.
A presidente do Grêmio, Raquel Guimarães, diz que é contra a reorganização, mas não quer que a escola seja ocupada, pois isso prejudicará os concludentes do ensino médio, se não puderem receber o histórico escolar e forem aprovados nos vestibulares. Alguns alunos da escola querem a ocupação, mas não é possível saber qual o percentual. Raquel informa que está sendo convocada uma Assembleia Geral para as 7 horas da manhã desta sexta-feira.

Áudio: Membros do movimento dos professores, professores estranhos à escola Antônio de Ré estão me impedindo de exercer a minha profissão de jornalista. Estou sendo intimidado por professores estranhos à unidade, que não permitem que eu, jornalista, esteja aqui. Eu não vou embora! Estão pedindo para que eu vá embora. Estou sendo agredido verbalmente e ameaçado de agressão física por professores que não são do Antônio de Ré e estão aqui tentando convencer os professores da casa, que são contrários a ocupação, a permitir que a escola seja invadida.

Valdir Carleto do Click Guarulhos denunciando que muitos alunos são contrários à reorganização, mas eles não querem a ocupação da escola. Principalmente alunos do terceiro ano do ensino médio. Eles acham que serão prejudicados se eles não conseguirem obter o certificado de conclusão, caso sejam aprovados em vestibular.

Entenda ocupação da escola Antônio de Ré em Guarulhos