Protetor solar: qual o melhor para a sua pele?

Por Tamiris Monteiro

Para quem se preocupa com e pele, usar protetor solar diariamente faz parte de uma rotina preventiva que vai muito além dos cuidados, geralmente, só tomados durante o Verão. E com pessoas cada vez mais conscientes sobre a importância do uso do bloqueador, também existem dúvidas relacionadas ao modo de como usá-lo corretamente. Por exemplo, a pele do rosto é mais sensível; por isso existem filtros solares específicos para a região, mas isso não significa que o mesmo produto possa ser aplicado tanto no corpo como no rosto.
De acordo com a dermatologista Selma Cernea, do Hospital Israelita Albert Einstein, ainda que não ofereça nenhum dano à saúde, vale a pena investir em protetores diferentes para cada região. “Os protetores solares para a face podem ser utilizados no resto do corpo, porém, na pele do corpo deve ser aplicado loção cremosa ou spray em áreas pilosas”, pontua.
Essa diferença acontece por causa da formulação mais específica dos filtros para o rosto. “Para a face, esses produtos são formulados para os diferentes tipos de pele. Na pele oleosa, por exemplo, recomendo o uso de fórmulas oil free, gel ou loção líquida. Para peles secas, filtros em base cremosa. Atualmente, já existem até filtros solares com fatores antienvelhecimento, para uso exclusivo em pele madura”, explica.
Outra vantagem de usar protetores específicos para o rosto são os benefícios que trazem para a pele. Por serem desenvolvidos unicamente para essa área, as fórmulas costumam oferecer mais do que somente a proteção solar: alguns produtos têm antioxidantes e ativos que ajudam na qualidade da pele, como o colágeno que age contra a flacidez. Os rótulos com vitamina E também são boas pedidas, pois prometem combater os radicais livres e reforçar a resistência da pele contra as agressões externas.
Apesar da variedade, de modo geral é sempre importante observar atentamente o que dizem os rótulos, pois existem filtros físicos que refletem os raios UV, e químicos que absorvem os raios UV; por isso é comum a associação dos dois para se conseguir um fator de proteção solar (FPS) maior. Contudo, a concentração das substâncias que barram a radiação é o que dá o maior ou menor FPS e a forma de apresentação do filtro, seja diluído em gel, creme, loção ou fluído, não altera sua eficácia.
Outro tipo de filtro para se investir são os que, além de proteger, funcionam como base. “Os filtros com cor têm a função de disfarce de manchas e também proteção para radiação da luz visível, que é responsável por manter as manchas de melasma na face”, afirma.

O que usar em cada tipo de pele?

Para peles oleosas ou com acne, os filtros mais indicados são os não-comedogênicos, desenvolvidos para não obstruir os poros, encontrados normalmente em gel ou fluido. As loções, mesmo oil free – sem óleo -, podem causar cravos e espinhas. Os filtros em loção ou creme, mais oleosos, são indicados para peles secas. Quem tem a pele mista deve usar os fluidos ou loções oil free. Também existem os protetores sem perfume e os hipoalergênicos, recomendados para peles sensíveis.
reAplicação

Seja no corpo ou no rosto, no trabalho ou num passeio, o ideal é que o filtro seja aplicado a cada duas ou três horas e até mesmo em dias chuvosos, quando o Sol não aparece com tanta evidência. Logo após o contato com a água ou quando houver transpiração intensa, também é importante retocar.