1. Os petistas pleiteantes a vice de Elói Pietá nas eleições deste ano não se entendem. O deputado Alencar quer indicar para vice o sindicalista Maurício Brinquinho, que praticamente nada somaria à candidatura do ex-prefeito. O ex-secretário de Educação Moacir de Souza quer ser o vice, mas a turma de Alencar e Almeida não quer vê-lo nem pintado de ouro. E, além disso, além de não somar para Pietá ainda desgastaria a campanha, pois contra ele pesam acusações que fariam o ex-prefeito ter de ficar se explicando.
  2. Elói prefere um vice de outro partido. Nisso, Almeida concorda. E até sugere que seja o presidente dos Metalúrgicos, Pereira. Porém, a maioria dos pré-candidatos a vereador pelo PDT não deseja estar junto do PT. A tendência é irem para Eli Corrêa ou Martello.
  3. O PT sempre teve no PCdoB um forte aliado, mas o vereador Eduardo Barreto, cogitado para ser vice de vários pré-candidatos a prefeito, faria mau negócio trocando uma quase certa reeleição a uma aventura com destino muito incerto.
  4. A ex-vereadora Luíza Cordeiro não pretende ser candidata à Câmara Municipal, porque é evidente que o PCdoB não consegue eleger dois e Barreto fatalmente seria mais votado do que ela. A concorrência no Parque Cecap será imensa. Cogita-se que haja mais de 20 pré-candidatos do bairro.
  5. Se Luiza viesse a ser vice de Elói, vários fatores seriam atendidos: é mulher, é professora, sempre foi muito próxima dele, não haveria choque no discurso de ambos, fortaleceria a chance de reeleição de Barreto e evitaria que o PCdoB viesse a abraçar uma das candidaturas de oposição, o que é muito provável que ocorra, já que muitos outros partidos da base já pediram o boné e se bandearam.