Convocada para esta sexta-feira, 28, a greve geral contrária às reformas Trabalhista e Previdenciária do governo Michel Temer (PMDB) reuniu milhares de pessoas lideradas por centrais sindicais em protestos por todo o País. Em Guarulhos, professores, funcionários públicos, motoristas de ônibus, aeroviários, metalúrgicos e outras categorias aderiram ao ato com passeatas por toda a cidade.

Manifestantes lideradas pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), tentaram bloquear a rodovia Helio Schmidt, acesso ao aeroporto de Guarulhos, por volta das 3h.

Os ônibus não circularam durante todo o dia na cidade. Membros do Sincoverg, sindicato dos motoristas dos coletivos, posicionaram-se logo cedo à frente das garagens para não permitir que houvesse movimentação. As agências bancárias, escolas públicas e particulares amanheceram fechados.

Por volta das 6h, manifestantes fizeram caminhada pela rodovia Presidente Dutra; afetando o fluxo de carros da via. Às 9h, o protesto começou na Tiradentes, sentido Praça Getúlio Vargas, onde líderes dos sindicatos fizeram seus discursos.

A concentração da praça Getúlio Vargas, segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Stap), reuniu cerca de 600 pessoas durante o tempo em que os sindicalistas ficaram no local. Os vereadores Edmilson Souza, Genilda Bernardes, Janete Pietá, o deputado Alencar Santana e o ex-prefeito Elói Pietá, todos do PT, fizeram suas falas. Estiveram ali também o ex-vereador e ex-candidato a prefeito de Guarulhos Albertão (PSOL) e o padre Frizzo, além dos líderes dos sindicatos presentes.

A turba iniciou a passeata pelas ruas centrais da cidade por volta das 15h. Começaram na Capitão Gabriel e seguiram pela Sete de Setembro, Paulo Faccini, Monteiro Lobato e Dutra. Toda a caminhada foi acompanhada por agentes da Secretaria de Transporte e Trânsito (STT), Guarda Civil Metropolitana (GCM) e Polícia Militar (PM).

Enquanto a passeata ocorria, os militantes, com palavras de ordem, pediam aos lojistas que abaixassem as portas. Os comerciantes, com medo do tumulto, atenderam. As ruas do Centro de Guarulhos, com exceção da turba que passava e alguns consumidores, ficaram praticamente vazias.

Por quase uma hora, a manifestação passou pelas ruas citadas até chegarem ao viaduto Cidade Guarulhos. Dali, por volta das 15h25, os manifestantes foram até a rodovia Presidente Dutra, sob o viaduto, e fecharam as faixas marginal e expressa. O trânsito ficou bastante afetado. Um lotação tentou passar pela grama e ficou atolado.

Por volta das 16h50, a Polícia Rodoviária Federal, em diálogo com os manifestantes, conseguiu fazê-los liberar a pista, encerrando o ato. Os militantes seguiriam, então, para a capital.