Jovem cientista inspira as pessoas a buscarem soluções para ‘salvar o mundo’

Maria Vitória Valoto palestrando no “TEDx Laçador: À Flor da Pele” - Foto: Reprodução de Vídeo

A jovem cientista Maria Vitória Valoto, de apenas 19 anos, oriunda de Londrina (PR), encantou o público de Porto Alegre (RS) em junho deste ano com uma palestra inspiradora no “TEDx Laçador: À Flor da Pele”, evento cujo objetivo é disseminar “ideias que merecem ser espalhadas”. No evento havia cerca de 500 pessoas, porém o vídeo viralizou nas redes sociais e tem encantado outras milhares Brasil afora. 

Na palestra, Maria Vitória conta a sua trajetória, mostrando como a educação sempre esteve intimamente relacionada ao seu crescimento e formação pessoal. Afirma que a educação salvou a sua vida e por isso defende que o incentivo à pesquisa e à iniciação científica podem também salvar a vida de muitos outros jovens, no Brasil e no mundo.

Ela foi a primeira mulher a participar três vezes consecutivas da maior feira de ciências do mundo, a Intel ISEF, nos Estados Unidos, e a única pessoa da América Latina a participar da Google Science Fair, na sede da Google Corporation.

Segundo ela mesma, sua vontade de seguir na carreira científica começou cedo, por intermédio de uma matéria obrigatória no colégio Interativa, denominada “iniciação científica”. Maria Vitória optou por continuar estudando a disciplina no ensino médio, mesmo não sendo mais exigida. Em 2014, com apenas 14 anos, passou a frequentar o laboratório da Unopar (Universidade do Norte do Paraná). “Eu me sentia uma formiguinha”, comenta ela, sobre como era estar no meio de estudantes do ensino superior. Em 2016, ela foi convidada pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) para continuar seus estudos nas instalações do campus.

Estagiária de pesquisa na UEL desde os 14 anos, Maria Vitória acumula uma longa lista de experiências científicas. Já ganhou mais de 30 prêmios nacionais e internacionais. Atualmente trabalha no desenvolvimento de um novo medicamento para o tratamento de candidíase, no laboratório de Ecologia Microbiana da UEL. O tratamento é feito por meio de uma bactéria encontrada em cascas da laranja e tem eficácia 820 vezes maior, e preço 3 vezes menor, do que o encontrado no mercado.

Maria Vitória sonha em receber um Prêmio Nobel e, além disso, ser reconhecida e citada em livros como uma mulher que, a partir do seu trabalho, descobriu novos feitos científicos e entrou para a história como uma contribuidora na evolução e aperfeiçoamento da humanidade.

Maria Vitória Valoto palestrando no “TEDx Laçador: À Flor da Pele” – Foto: Reprodução de Vídeo

No “TEDx Laçador: À Flor da Pele”, Maria Vitória conclui sua história com mensagens de incentivo a jovens cientistas. Ela perdeu os pais muito cedo, mas optou por seguir estudando, com o objetivo de “mudar o mundo” e ajudar outras pessoas. “Temos que escolher acreditar e correr atrás,” disse. 

Recentemente a jovem foi aceita na universidade Alma College, em Michigan (EUA). Seus planos para o futuro incluem se dedicar à graduação em biotecnologia e traçar uma carreira acadêmica. 

*Com informações do TEDx Talks e Web Portal Bonde