terça-feira, 3 agosto 2021
InícioUTILIDADE PÚBLICAComo identificar sinais de que uma criança pode estar sofrendo abusos?

Como identificar sinais de que uma criança pode estar sofrendo abusos?

De acordo com um levantamento realizado pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), na última década, cerca de 100 mil crianças e adolescentes com idades até 19 anos morreram vítimas de agressão em todo o país. Destas, aproximadamente 2 mil tinham idades abaixo de 4 anos. As estatísticas impactantes trazem à tona uma discussão que precisa ser abordada de forma categórica pela sociedade: como os professores e adultos que convivem com crianças podem identificar indícios de abuso?

“Todo episódio ou circunstância de maus tratos causa efeitos comportamentais. Nós adultos, como únicos elementos capazes de livrar a criança deste tipo de situação precisamos estar atentos as alterações de conduta em todos os ambientes sociais”, aponta a psicopedagoga Ana Regina Caminha Braga, especialista em Gestão Escolar e Educação Inclusiva. A condição de abuso causa medo e insegurança na criança gerando dificuldade em falar sobre o assunto. Portanto, em geral, elas acabam manifestando de maneira implícita. ”Nesses contextos, o mais importante é observar e conhecer muito bem a criança pelo qual se é responsável. É necessário perceber, por exemplo, se repentinamente ela começa apresentar uma agressividade ou sensibilidade fora do normal, se a criança é agitada e passou a ficar muito silenciosa e, até mesmo, se ela apresentou queda no desempenho escolar. Sempre há indicativos de que há algo errado”, alerta a especialista.

De acordo com a psicopedagoga, os sinais mais comuns são: falta de apetite; agressividade; choros fora do normal; não querer ficar sozinho; no caso de crianças maiores, voltar a fazer xixi na cama ou as necessidades nas roupas; pesadelos; passar a roer unhas; apatia; e sintomas físicos frequentes ligados a stress e ansiedade, entre eles diarreia, dor de estômago, tontura, náusea, vômito, taquicardia, alergias e dermatites. Além disso, é imprescindível ouvir, respeitar e investigar as vontades ou recusas da criança. “É preciso estar atento se a criança repete muito que não quer ir à escola, ou a casa de alguém, ou estar em determinado lugar. Se não gosta de estar perto de certo adulto, se desvia o olhar dessa pessoa ou se passa a mentir para evitar ir a lugares ou conviver com a pessoa. Crianças são imaturas e têm total confiança nos adultos. Ela busca acolhimento no adulto com o qual se sente segura, e se isso não é ouvido, vai demostrar de outras formas. Crianças replicam exemplos e sentimentos que vivenciam. Se ela passa a morder e beliscar os colegas na escola, pode estar acontecendo algo”, explica.

“Birra” ou socorro?

Há comportamentos e alterações na conduta infantil que muitas vezes são encarados como “birra” e prontamente repreendidos. Mas como diferenciar a birra de um pedido de socorro inconsciente por parte da criança? Para Ana Regina Caminha Braga, a identificação parte da observação e diálogo. “A birra é uma explosão de sentimentos. Mesmo que a motivação seja banal, é uma forma da criança expressar frustração e descontentamento. Ela usa esse recurso para mostrar que está emocionalmente abalada. A questão aqui é o responsável observar se a ‘birra’ está muito fora do comum ou aparecendo de maneira frequente. Se isso acontecer, é importante  conversar com a criança e criar uma abertura para ela contar tudo o que está sentindo”, diz.

Outra atitude bem importante é não duvidar dos sentimentos da criança, do que ela fala ou demonstra. “Precisamos deixar o termo ‘geração mimimi’ de lado. É muito preocupante ver pais e responsáveis dizendo que não se pode falar mais nada e denominando determinadas reações e comportamentos infantis como bobagens, sendo que muitas vezes pode ser um pedido de ajuda que está sendo negligenciado por quem deveria promover a proteção dessa criança”, completa a especialista.

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,891FãsCurtir
1,510SeguidoresSeguir
1,413SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Mega-Sena pode pagar R$ 38 milhõs neste sábado

A Mega-Sena pode pagar R$ 38 milhões neste sábado (31) ao apostador que acertar as seis dezenas do concurso 2.395. O sorteio será realizado a partir das 20h...

Anvisa recebe pedido de autorização para início de testes em humanos da vacina da...

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou neste sábado (31) que recebeu pedido de autorização para o início dos testes em humanos da Spintec,...

Butantan recebe insumos para produzir mais 4 milhões de doses da CoronaVac

O secretário da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, a coordenadora do Plano Estadual de Imunização, Regiane de Paula, e o superintendente do Butantan,...

Confianças do comércio e serviços sobem em julho, diz FGV

Os índices de Confiança do Comércio e dos Serviços registraram altas na passagem de junho para julho deste ano. O Índice de Confiança dos...

Desemprego fica em 14,6% e atinge 14,8 milhões no trimestre, aponta IBGE

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 14,6% no trimestre encerrado em maio, apontam os dados divulgados nesta sexta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de...