Talibã reivindica controle de área rebelde e promete novo governo

O Talibã declarou vitória sobre forças opositoras no Vale de Panjshir, ao nordeste de Cabul, nesta segunda-feira (6), declarando que finalizou a tomada de poder do Afeganistão e prometendo anunciar um novo governo em breve.

Fotos em redes sociais mostraram membros do Talibã diante do portão do complexo do governador provincial de Panjshir depois de lutarem durante o final de semana contra a Frente Nacional de Resistência do Afeganistão (NRFA) liderada pelo líder de Panjshiri, Ahmad Massoud.

“Panjshir, que era o último refúgio do inimigo em fuga, foi capturada”, disse o porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, em uma coletiva de imprensa.

Mais cedo, ele havia dito: “Com esta vitória e os esforços mais recentes, nosso país sai do turbilhão da guerra e nosso povo terá uma vida feliz, em paz e liberdade.”

O Talibã garantiu ao povo de Panjshir, que é etnicamente diferente do grupo de maioria pashtun que enfrentou os islâmicos durante o primeiro governo destes, entre 1996 e 2001, que não haverá nenhum “ato discriminatório contra eles”.

“Eles são nossos irmãos e trabalhariam juntos por um objetivo comum e o bem-estar do país”, disse Mujahid.

Massoud, que comanda uma força extraída dos remanescentes do Exército afegão e de unidades das forças especiais, além de militantes locais, disse em um tuíte que está em segurança, mas não deu detalhes.

Já Mujahid disse ter sido informado de que Massoud e o ex-vice-presidente Amrullah Saleh fugiram para o vizinho Tadjiquistão.

Ali Maisam Nazary, chefe de relações exteriores da NRFA, disse que a alegação de vitória do Talibã é falsa e que forças da oposição continuavam a lutar.

“As forças da NRFA estão presentes em todas as posições estratégicas através do vale para continuar a luta”, disse ele em uma postagem no Facebook.

Mujahid negou haver qualquer desentendimento dentro do Talibã a respeito da formação de um novo governo e disse que este será anunciado em breve, mas sem estabelecer uma data.

Ele também disse que as mulheres voltaram ao trabalho nos setores da saúde e da educação e que “outros campos serão oferecidos, um a um, assim que o sistema tiver sido estabelecido para elas”.

Os militantes, que chegaram ao poder no mês passado depois que os Estados Unidos retiraram soldados depois de uma guerra de 20 anos, proibiram que meninas e mulheres estudassem e realizassem a maior parte dos trabalhos quando comandaram o país pela primeira vez, entre 1996 e 2001.

Agora, o grupo diz que as mulheres poderão trabalhar em setores importantes da sociedade nos termos da lei islâmica e que seus direitos serão protegidos.