domingo, 5 dezembro 2021
- PUBLICIDADE -
InícioDESTAQUEBolsonaro diz que prorrogará por 2 anos a desoneração da folha de...

Bolsonaro diz que prorrogará por 2 anos a desoneração da folha de pagamento

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (11), em evento no Palácio do Planalto, que o governo decidiu desonerar a folha de pagamentos de 17 setores da economia brasileira por mais dois anos.

Nesta quarta (10), o deputado federal Marcelo Freitas (PSL-MG) protocolou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara um relatório favorável ao projeto de lei que prorroga a desoneração.

Esses 17 setores são os que mais empregam na economia brasileira. A desoneração venceria no fim deste ano.

Defensores do texto vêm argumentando que, sem a desoneração, os setores teriam dificuldade em manter empregos, o que agravaria a crise econômica.

Bolsonaro anunciou a prorrogação após se reunir com representantes do setor produtivo, no Palácio do Planalto. Ele discursou durante o lançamento de um programa de combate à fome. Ao falar da desoneração, o presidente lembrou que “emprego é alimentação”.

“Quando se fala em alimentação, emprego é alimentação. Quem não tem emprego, tem dificuldade de se alimentar, obviamente. Reunido com a Tereza Cristina [ministra da Agricultura], com o nosso prezado ministro Paulo Guedes [Economia] e mais de uma dezena de homens e mulheres representante do setor produtivo do Brasil, resolvemos prorrogar por mais dois anos a questão que tem a ver com a desoneração da folha”, afirmou Bolsonaro.

Como funciona

A desoneração da folha permite às empresas substituir a contribuição previdenciária, de 20% sobre os salários dos empregados, por uma alíquota sobre a receita bruta, que varia de 1% a 4,5%.

Entre os 17 setores da economia que podem aderir a esse modelo estão: as indústrias têxtil, de calçados, máquinas e equipamentos e proteína animal, construção civil, comunicação e transporte rodoviário.

Reunião com empresários

Antes do anúncio da prorrogação, Bolsonaro esteve reunido com empresários que foram ao Palácio do Planalto tratar do tema.

Eles representavam setores como o de produção de proteína animal, de comunicação e de calçados.

“Essa foi a conversa que tivemos com o governo. Mostrar que a manutenção da desoneração vai manter empregos e não vai impactar na inflação dos alimentos. É isso o que estamos buscando e esperamos que o Congresso seja sensível a isso”, disse o presidente da Associação Brasileira de Proteína Anima (ABPA), Ricardo Santin.

“Hoje, não manter essa política vai reonerar os setores. Nós vamos ter custo que vai impactar a partir de janeiro na mesa do consumidor brasileiro e nas folhas de pagamento de salário e demissão”, completou ele.

O presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Haroldo Ferreira, afirmou que a expectativa dos setores é que a prorrogação seja aprovada na Câmara até a próxima semana. Na sequência, o projeto será analisado pelo Senado.

“Aqui com o presidente nós conseguimos a garantia de que vai ter todo o apoio. Isso significa, então, que não teremos veto”, disse Ferreira.

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

SIGA/CURTA

28,891FãsCurtir
1,510SeguidoresSeguir
1,497SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever

VEJA TAMBÉM

Veterinária adota os três cães que estavam há mais tempo no abrigo da Prefeitura...

A veterinária Katia Simões Refaxo adotou nesta sexta-feira (3) os três cães que há mais tempo esperavam por um lar no abrigo da Prefeitura de...

SP registra queda superior a 42% nos casos e mortes por Aids na década

Dados inéditos da Secretaria de Estado da Saúde mostram que o Estado de São Paulo registrou queda de 44,8% na taxa de mortalidade por...

SP: mamografias gratuitas são oferecidas no Ginásio do Ibirapuera

Uma carreta móvel oferece, gratuitamente, neste domingo (28), exames de mamografia no Ginásio do Ibirapuera, Avenida Marechal Estênio Albuquerque Lima, 413. As pacientes serão...

SP registra 4,44 milhões de casos e 154,1 mil óbitos por Covid-19

O Estado de São Paulo registra nesta quarta (1) 4.440.191 casos de Covid-19 durante toda a pandemia e 154.159 óbitos. Entre o total de casos,...

País não tem controle de casos de sintomas da Pós-Covid-19

Depois de três ondas da Covid-19 no Brasil e de 615.400* óbitos causados pela doença, a situação finalmente parece estar melhorando com o avanço da imunização. No entanto,...