PUBLICIDADE
InícioCIDADEAcademia Guarulhense de Letras comemora 43o. aniversário

Academia Guarulhense de Letras comemora 43o. aniversário

Publicado em
PUBLICIDADE

Fundada em 08/12/1978, a Academia Guarulhense de Letras (AGL) comemorou, na noite de terça-feira, 14/12, no Espaço Livre Café Bar, seu 43o. aniversário, com o lançamento da 23. edição de sua revista anual, contendo artigos, crônicas, contos e poemas de 17 membros do Sodalício.

A solenidade contou com a presença do ex-secretário de Cultura, Vitor Souza; de Antonio Carlos Fernandes, assessor do vereador Martello e do conselheiro do Inep e coordenador de projetos estratégicos da Câmara Temática de Pesquisas e Proposições do Legislativo local, Devanildo Damião da Silva, também membro efetivo da AGL; acadêmicos, familiares, artistas e amigos das artes e da cultura em geral.

O presidente da Academia, jornalista Valdir Carleto, saudou os presentes e solicitou que fosse entoado o hino da entidade, cuja melodia é de autoria do maestro Armando Atílio Colacioppo Sobrinho, atual vice-presidente; e a letra de Mauro dos Santos Oliveira, secretário-geral.

A presidente do Conselho Fiscal e ex-presidente da AGL, professora Antonia Conceição Vaz Duarte, explanou sobre obras suas que compõem a nova edição da revista da entidade. A artista plástica Jandilisa Grassano, que ingressou neste ano como membro efetivo da Academia, doou obra de sua autoria – um floral contemporâneo, espatulado com tinta acrílica sob resina transparente – para uma ação que rendeu recursos para a AGL, permitindo igualar receitas e despesas no corrente ano.

O acadêmico e professor Jacques Miranda apresentou peça lítero-musical de sua autoria, intitulada “Humildade de aprendiz”. O acadêmico José Roberto Jerônimo declamou um poema que fez em retribuição a homenagem que recebeu de Elaine Patrícia. O jurista e professor Bismael B. Moraes, ex-presidente da AGL, declamou cordel de sua autoria.

A acadêmica honorária Wilma Colacioppo procedeu às apresentações das atrações musicais: a jovem Isabella Brito acompanhada ao violão pelo professor Edson, do Conservatório Musical de Guarulhos; quarteto de cordas, formado pela professora Giovanna e pelos alunos do Conservatório Letícia Lobo, Luciano Nascimento e Gabriel Guimarães Nascimento; e o compositor Gilson Santos Ferreira, interpretando o “Samba inútil”, de sua autoria, com letra do poeta Castelo Hanssen, um dos fundadores da AGL, que com ele trabalhou por muitos anos no Jornal Olho Vivo e faleceu em março de 2020.

O comunicador José Augusto Pinheiro, também ex-presidente da Academia, como orador oficial da entidade, fez referência aos fundadores, lembrando que o último deles, o professor Ary Baddini Tavares, faleceu recentemente e que, por consequência, o futuro da instituição está agora totalmente nas mãos de membros que ingressaram posteriormente e que têm agora a missão de levar adiante o legado recebido, difundindo o apego à cultura e o hábito da leitura, principalmente entre os jovens estudantes.

A advogada Regina Biagini fez uso da palavra para agradecer as homenagens prestadas a seu marido, João Carlos Biagini, bem como pelo apoio recebido dos pares por ocasião de seu falecimento. Augusto Pinheiro leu texto de Mauro Santos Oliveira dedicado ao saudoso Biagini.

O conteúdo integral da edição 23 da Revista da Academia Guarulhense de Letras está disponível no site www.academiaguarulhense.org.br



Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE