Barragem da mineradora Vale se rompe em Brumadinho (MG)

Barragem de rejeitos da mineradora da Vale se rompe e atinge Brumadinho (MG) - Foto:Divulgação/Corpo de Bombeiros

Uma barragem da mineradora Vale do Rio Doce se rompeu nesta sexta-feira, 25, na cidade de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Acidente ocorreu na altura do km 50 da rodovia MG-40. O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil alertam os moradores que vivem na parte mais baixa da cidade para que se retirem do local preventivamente.

Os socorristas locais foram acionados e estão indo à região do Córrego do Feijão. Informações preliminares dão conta de que se trata de uma barragem de rejeitos e que é possível haver vítimas, o que não foi confirmado.

Segundo a Defesa Civil, os moradores da parte baixa serão retirados das casas.

Fotos feitas por moradores e imagens captadas em sobrevoo e divulgadas pelo Corpo de Bombeiros da região mostram muita lama. A prefeitura da cidade publicou alerta para que a população não fique perto do leito do rio Paraopeba.

Segundo o jornal Meio Norte Notícias a mineradora Vale informou que se pronunciará mais tarde.

Vale do Rio Doce

A Vale do Rio Doce, empresa responsável pela barragem, divulgou nota há pouco. “As primeiras informações indicam que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco. Ainda não há confirmação se há feridos no local. A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens”, informou a empresa.

Ainda segundo a Vale, a prioridade é “preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade”.

Moradores relatam medo e apreensão

Após o rompimento da barragem em Brumadinho (MG) moradores procuraram se abrigar nas áreas mais altas da cidade e ter informações sobre familiares e conhecidos que estavam próximos ao local. “A cidade está um pandemônio. As pessoas estão muito assustadas”, relata Genilda Dalabrida, dona de um restaurante na cidade.

Genilda disse que os moradores estão acompanhando os resgates e procurando familiares, amigos e conhecidos que estavam próximos ao local e podem ter sido atingidos. “Você vê pessoas com celular na mão, tentando falar com família”, disse. Genilda relata que está tentando encontrar o ex-marido, que trabalhava no local, mas ainda não conseguiu contato.

De acordo com Genilda, além desse esforço, moradores estão buscando se deslocar para regiões mais seguras, nas áreas mais altas da cidade. Os donos de comércios no centro estão fechando as lojas.

“A preocupação é quem não está lá ir para locais seguros. Minha funcionária foi, voltou, e disse que a água estava baixa. Ela contou que vai para a casa da sogra, em um distrito mais alto”.

Seu restaurante fica em um local na área mais alta. Ela chamou amigos para se abrigarem lá. “Nós estamos seguros porque não estamos perto do rio. Tem muito lugar para espalhar até chegar aqui, não temos risco”, disse.

*Com informações da Agência Brasil