Deputado Alencar acusado de desacatar PMs; ele alega perseguição

O deputado estadual de Guarulhos Alencar Santana, líder do PT na Assembleia Legislativa, é alvo de vídeo que está circulando nas redes sociais (link no final do texto), no qual aparece discutindo com policiais militares que averiguaram se o carro oficial parado em frente a uma pizzaria, à noite, era ou não roubado.

Abordado pelos PMs, o motorista informou que Alencar estava dentro da pizzaria. Os policiais então o chamaram para fora, para certificar-se de que era efetivamente o deputado quem estava com a viatura.

Alencar ficou inconformado e questionou os policiais por qual motivo haviam abordado a viatura. Um capitão da PM foi ao local, chamado pelos subordinados. Ele explicou a Alencar que se tratou de uma operação de rotina, para averiguar se o carro era de fato oficial ou se a placa teria sido adulterada. O deputado retrucou que o fato de ser um carro da Assembleia não seria indicativo de que fosse roubado. O oficial respondeu que poderia ter sido, que a averiguação era para a própria segurança do parlamentar. Argumentou que tem havido muitos assaltos a estabelecimentos comerciais no período noturno. Alencar questionou se a viatura teria ido ao local para proteger a pizzaria. O policial respondeu que não, que as rondas são rotineiras. O deputado disse estranhar que seis viaturas tivessem sido deslocadas para atender uma ocorrência banal e quis saber por que o capitão ali comparecera. O oficial respondeu que foi para dar assistência aos policiais.

A Reportagem do Click enviou mensagem ao deputado na noite de sexta-feira, indagando se ele desejava acrescentar alguma informação, mas não houve resposta.

Porém, alertado pelo internauta Paulo Costa, membro do PT de Guarulhos, de que Alencar postara uma resposta em seu perfil no Facebook, transcreverei aqui a íntegra da nota. Pouco depois, recebi telefonema do deputado. Ele disse não ter recebido a mensagem que mandei, porque seria preciso que eu curtisse a página para que a mensagem fosse enviada.

Valdir Carleto

 

Manifestação do deputado Alencar Santana

1. Na noite de quinta-feira (29), depois de sair da Assembleia Legislativa, fui até a casa de meu assessor Luiz onde participei de uma reunião;

2. Na volta para casa, por volta das 2h30, parei com meu assessor Marcos para jantar em uma pizzaria na região da Bela Vista;

3. Dentro do estabelecimento, fomos abordados por policiais sem qualquer justificativa e quando sai para a rua chegaram mais viaturas, totalizando 6;

4. Conversei com os policiais e indaguei a razão da abordagem, absolutamente desnecessária. Falaram que o veículo poderia ter sido roubado, que eu poderia ter sido sequestrado, entre outras coisas;

5. Algumas viaturas tentaram sair do local antes da chegada de um superior deles, presença solicitada por mim, o que tentei evitar para provar a agressividade da abordagem que fizeram;

6. Por considerar grave o abuso, fui enfático em não deixar que saíssem do local sem a presença de superiores da PM;

7. Durante todo o tempo estive acompanhado de assessores e testemunhas do ocorrido;

8. Por fim, esclareço ainda que na terça-feira anterior a esse episódio denunciei o homicídio de um jovem pela PM na favela do Moinho em SP e também a perseguição, na própria terça, de uma viatura da PM ao veículo oficial em que eu estava. 

9. E por coincidência, ou não, os policiais que me abordaram na noite de quinta fazem parte do mesmo comando. 

10. Espero que a ação de ontem tenha sido somente mais ação desnecessária da PM e não uma tentativa de intimidação a quem trabalha e denuncia os abusos. 

11. Já relatei o ocorrido para o Coronel Cangerana, comandante do CPM-A1 e para o Presidente do Legislativo Paulista, Cauê Macris. 

Alencar Santana Braga
Deputado Estadual