Vereador explica por que foi contra mudança de zoneamento do “Sítio do Vovô”

O vereador Laércio Sandes (DEM), que obteve liminar judicial suspendendo os efeitos da sessões da Câmara Municipal que aprovara mudança na Lei do Zoneamento, em relação a uma área em Bonsucesso, explica as razões que o levaram a buscar a Justiça contra a decisão.

Em postagem feita na sexta-feira, o Click Guarulhos informou sobre manifestação de movimentos populares contra Sandes.

Ele explicou que a alteração no Zoneamento refere-se a uma área total de 700 mil metros quadrados e não apenas dos 120 mil metros quadrados de interesse do movimento social.

Essa área pertence ao espólio do falecido prefeito Paschoal Thomeu, conhecida como “Sítio do Vovô”. Segundo Sandes, o MTST e outros segmentos de representação de trabalhadores sem moradia foram usados para legitimar uma mudança em área muito maior, de 585 mil metros quadrados, sem que tenham sido obedecidos critérios técnicos e legais para alteração de tal relevância.

“A doação pela herdeira Roseli Thomeu de 120 mil metros, zerando o IPTU em aberto, envolve também a alteração para Zona de Uso Misto de outros quase 600 mil metros, sem estudos, sem avaliação do impacto de trânsito, sem ouvir o Conselho, sem respeitar o Estatuto da Cidade, sem todos os requisitos exigidos, pois é algo que requer cautela”, justifica.

O vereador informa que em 15 dias o projeto chegou para votação, todas as comissões, com exceção da de Recursos Humanos, deram parecer contrário. E pela pressão que foi exercida sobre o Legislativo, foi votado de afogadilho. “Foram tantas irregularidades, que eu não poderia me omitir. Eu me senti no dever de entrar com o Mandado de Segurança, pois em nome da transformação de 120 mil metros em Zona de Interesse Social foi aprovada a mudança para Zona Mista de outros 585 mil metros”, conclui.

Segue o link da matéria que informou sobre a manifestação contra Sandes

Boneco com rosto de vereador é queimado em manifestação do MTST em Guarulhos