Semestre fecha com três vezes mais o número de alunos que adotaram nome social na rede pública de educação

 

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo finalizou novo levantamento sobre alunos transexuais e travestis matriculados na rede e que adotaram o nome social em documentos escolares. De março até junho, o número quase triplicou, passando de 44 para 127 pedidos. A mudança é válida em listas de chamadas e diários de classes. Para pedir a substituição, basta procurar a secretaria de uma das 5 mil unidades de ensino.

No caso dos menores de idade, é necessário do consentimento dos pais ou responsáveis. A alteração pode ser feita por novos alunos e também aqueles que já frequentam as escolas estaduais no primeiro semestre de 2015.