Coluna do Carleto, de 29.01

IMAGENS DIZEM MAIS QUE PALAVRAS

A Secretaria de Esportes respondeu que é proibida a venda de bebida alcoólica nos próprios municipais e não pode se responsabilizar pelo que acontece do lado de fora. Confira nas fotos e tire sua própria conclusão.

A Secretaria de Esportes respondeu que é proibida a venda de bebida alcoólica nos próprios municipais e não pode se responsabilizar pelo que acontece do lado de fora.

ALCKMIN DÁ O BONDE

Depois de, mais uma vez, anunciar de última hora que viria à cidade, para vistoriar obras da linhas 13-Jade e assinar contratos relativos ao trem de Guarulhos, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) avisou, pela sua Chefia de Gabinete, mudança de horário e local da agenda, despachando no próprio Palácio dos Bandeirantes.

GRANA PAULISTA

Alckmin afirmou que o Estado investirá R$ 600 milhões na aquisição de oito trens e nos sistemas de energia e controle, mesmo não tendo recebido a parte prometida pelo governo federal.

GRANA DA MERENDA

A Operação Alba Branca, da Polícia Civil de SP, acerca de pagamento de fornecimento de gêneros para a merenda escolar, chegou a nomes de relevância no cenário tucano paulista.

PROPINA PARA CAPEZ?

Um dos nomes apontados como beneficiário de propinas para facilitar contrato da cooperativa Coaf com a Secretaria de Educação é o do presidente da Assembleia Legislativa de SP, deputado Fernando Capez (PSDB). Um dos depoentes detidos afirma que um assessor de apelido Licá enviava mensagens cobrando as comissões quando os pagamentos atrasavam. Propinas que eram pagas a Marcel Ferreira Júlio seriam destinadas a Fernando Capez. O pai dele, Leonel Júlio, presidiu a Alesp e foi cassado por causa do “escândalo das calcinhas”, nome pelo qual ficou conhecido um caso de importação indevida de lingerie com dinheiro público.

OUTROS NOMES

Surgiu nos relatos de investigados o nome de outro assessor de Capez, Jeter Rodrigues, que foi demitido pelo deputado, “porque teria usado seu nome indevidamente para pedir a nomeação de um delegado para um cargo.”

BALEIA E MOITA

O deputado Baleia Rossi, presidente do PMDB estadual, seria outro beneficiário do esquema, para facilitar a venda de gêneros da merenda a diversas prefeituras. O presidente da União dos Vereadores, Sebastião Miziara, também é citado. E, ainda, o ex-chefe de gabinete do secretário Edson Aparecido, da Casa Civil do governador, Luiz Roberto dos Santos, conhecido como Moita, que foi demitido um dia antes da deflagração da Alba Branca.

DEPUTADO REAGE

Capez afirma não conhecer a Coaf, nem seus dirigentes, e garante não ter recebido um centavo sequer de propina da merenda. “Nao irão enxovalhar minha honra”, bradou. Ele afirma que será o primeiro a assinar pedido de Comissão de Inquérito, cogitada por membros do PT, e que irá acelerar o trâmite caso venha a ser instalada.

TODOS NEGAM

Baleia Rossi e Misiara reagiram à menção de seus nomes no caso, afirmando que não fizeram lobby em favor da Coaf e que nunca receberam propinas.

E O TRIPLEX?

Em nova fase da Operação Lava-Jato, deflagrada na quarta-feira, foram detidas várias pessoas ligadas a offshores, empresas constituídas no exterior para lavagem de dinheiro e esconder os verdadeiros donos de propriedades. Na mira, apartamento triplex que seria usado pela família do ex-presidente Lula, no Guarujá. O edifício Solaris foi construído pela Bancoop, cooperativa habitacional dos bancários, que faliu. O ex-tesoureiro do PT, Vaccari Neto, foi seu presidente e uma cunhada dele teria um triplex ali. A obra foi assumida pela OAS. A suspeita é que unidades tenham sido transferidas a título de propina.