Goleiro de handebol da seleção brasileira sofre racismo na Espanha

O goleiro da seleção brasileira de hanbedol Cesar Augusto Oliveira de Almeida, de 27 anos, conhecido como Bombom, que joga no time espanhol Fraikin BM Granollers, foi vítima de racismo pela segunda vez em jogo do último sábado, 6.

O atleta, que é morador de Guarulhos desde a infância, foi xingado com palavras e sinais racistas por torcedores do Ángel Ximénez Puente Genil quando defendia o seu time, fora de casa, em partida da Liga Asobal, campeonato local. A partida chegou a ser interrompida no minuto 23, mas o responsável pelo ato preconceituoso continuo com os gestos até o final do jogo. “Espero que ele tenha punição e isso acabe”, relata o jogador, campeão pan-americano 2015, ao Click.

O clube prometeu proibir a entrada do torcedor nas próximas partidas da equipe.

Em 2014, o jogador sofreu com o mesmo tipo de problema. Na ocasião, em partida contra o Benidorm, foi chamado de macaco, quando defendia o BM Guadalajara, também da Liga Espanhola.