Espalha Fatos de Sérgio Lessa – 01/04

Sem atropelo

O vereador Paulo Sergio (PR), presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara, pediu por meio de ofício mais informações ao Executivo sobre o PL 5726/2016, deliberado na sessão de ontem, que pretende reduzir temporariamente em 10% os salários do prefeito, vice-prefeito, chefe de gabinete, secretários, secretários adjuntos, coordenadores, diretores e demais cargos em comissão da Prefeitura, Saae, Ipref e Agru.

Sem parecer

De acordo com Paulo Sergio, o projeto de lei não informa qual o valor que será economizado na folha de pagamento e nem o reflexo orçamentário no caso de aprovação da proposta. Além disso, o parlamentar quer saber detalhadamente também, quantos e quais são os cargos comissionados citados no PL, a fim de que nenhum servidor seja prejudicado. Enquanto não houver mais clareza no que será votado em plenário, a papelada ficará parada.

Carne ou queijo?

 

Os vereadores Dr. Laércio Sandes (DEM) e Gilvan Passos (PSDB) reclamaram ontem na tribuna da Câmara, sobre a maneira como o Legislativo é tratado pelo Executivo Municipal. Segundo eles, o prefeito pensa que a Casa é uma “pastelaria”, uma vez que já virou rotina de tempos em tempos a Prefeitura enviar diversos projetos de lei numa só tacada para serem votados no afogadilho, sem o tempo mínimo para que seja estudado ou até mesmo lido pelos parlamentares. Para Sebastião Almeida (PT), o importante é que a maioria vote sim, mesmo que não saibam do que se trata a matéria.

Ataque

O vereador e sindicalista Maurício Brinquinho (PT) provocou ontem durante a sessão da Câmara os empresários da cidade ligados à Associação Comercial (ACE), que pretendem promover hoje uma paralisação de 1 hora na cidade, contra a corrupção: “A greve ocorrerá no período do almoço e no dia da mentira, 1º de abril. Não sei se dou risada ou o que…”, zombou o petista. “Os donos das empresas sempre estão em crise, mas nunca deixam de viajar e comer filé-mignon, enquanto o trabalhador come pé de frango e pescoço”, disparou.

Resposta

Ao tomar conhecimento da fala do vereador Brinquinho (PT), o presidente da ACE, William Paneque, afirmou que a prioridade da entidade é a luta pela sobrevivência das empresas para que os empregos dos trabalhadores sejam garantidos: “Do jeito que as coisas andam, vai fechar tudo. Queremos preservar o nosso trabalho e o de todas as pessoas”, garantiu. Em relação ao dia 1º de abril, Paneque rebateu: “Mentira é o que eles estão contando para nós há meses e o pior é que eles pensam que nós estamos acreditando”, cutucou.