Sabia que o cacau presente nos chocolates é fundamental para a redução de peso? Profissional explica

 

Muitos alimentos passaram da criminalização para um lugar não só de destaque, como de referência em saudabilidade. Segundo a nutricionista e fitoterapeuta *Vanderli Marchiori, isso se deve ao fato de que as pesquisas sobre a ação de fitoquímicos e nutrientes avançaram bastante nesses últimos dez anos. Hoje, sabe-se que o equilíbrio é a base de tudo e que o consumo exagerado de qualquer alimento pode ser prejudicial, mesmo que seja uma simples e bem aceita cenoura. Mas sabe quais são os vilões que viraram mocinhos? Confira o que a nutricionista tem a dizer.

Amendoim

“O excesso de peso da população sempre foi justificado pelo consumo de alguns alimentos vilões. O amendoim entrou nesta lista por ser considerado um dos causadores de obesidade por conta de seu valor calórico. Outro motivo para não ser recomendado era por acreditarem que os amendoins estavam todos contaminados por fungos. A grande verdade já comprovada é que, pelo menos há dez anos, a Fundação Pró-Amendoim acompanha produtores e atesta a ausência de aflatoxinas e, com isso, garante sua segurança. Já em relação ao peso, muitos estudos científicos foram realizados, sendo que um em especial constata que com o consumo regular de amendoins, comprovou-se estratégia eficaz no tratamento de obesidade e sobrepeso, bem como na redução de risco de doenças neurológicas e de alguns tipos de tumor. O grupo que consumiu 30 g de amendoins, no fim de tarde reduziu não só o peso corporal como a gordura abdominal. É uma excelente notícia, pois a redução de gordura é sempre acompanhada por menores taxas de colesterol e de todas as gorduras corporais.”

Glúten e lactose

“O glúten e a lactose são os dois mais novos vilões e, atualmente, são os mais criticados. O glúten é a proteína presente no trigo, centeio e cevada. A lactose é o açúcar presente no leite de vaca. Atribui-se a estes dois nutrientes a grande capacidade de serem os responsáveis pela epidemia de obesidade. A verdade é que estes alimentos só são vilões para quem tem alguma doença associada ao consumo, como a doença celíaca ou a intolerância à lactose. Fora desses grupos específicos, o consumo não só é seguro como bastante recomendado, pois o trigo é a melhor fonte de triptofano, que é um aminoácido importantíssimo para a melhora de humor e depressão. Já o leite de vaca é uma excelente fonte de proteínas e cálcio.”

Ovos

“A grande constatação sobre os ovos é que no passado todos os profissionais de saúde controlavam o consumo, pois cada gema era vista como uma ameaça ao colesterol. Hoje, já é fato real que o consumo moderado de ovos, dentro de uma conduta equilibrada, não só não aumenta o colesterol como melhora significativamente o cérebro e reduz o apetite.”

Abacate

“Agora, o eterno vilão abacate. Ele ainda é encarado como vilão por algumas pessoas, pois seu valor calórico é superior ao de várias outras frutas, o que deve-se ao fato de ser um alimento fonte de gorduras. Embora bastante calórico, essas gorduras são importantíssimas para a melhora do funcionamento cerebral, do sono e do sistema imunológico e, além disso, combatem a gordura abdominal. É muito difícil as pessoas entenderem que a gordura do abacate é altamente benéfica e combate a gordura abdominal, mas esta é a grande verdade!”

Chocolate

“Por último, encontramos o chocolate, que por muito e muito tempo foi odiado. A imagem anterior era de um alimento rico em calorias que só fazia engordar. Atualmente, há centenas de estudos que comprovam que o cacau presente nos chocolates é fundamental para a redução de apetite e de peso, e melhora da glicemia, atenção e disposição cerebral. O chocolate é um superalimento antioxidante que por si só já ajuda na redução de riscos de doenças.”

* Vanderli Marchiori é nutricionista e fitoterapeuta, com formação pelas Faculdades São Camilo e Manchester Institute, respectivamente. Em sua carreira já atuou como assessora técnica da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto; presidente da APFIT – Associação Paulista de Fitoterapia; assessora Técnica da ABICAB e ABITRIGO; secretária-geral da Associação Brasileira de Nutrição Esportiva; conselheira do CRN da 3º região; colaboradora técnica do Conselho Federal e Regional de Nutricionistas e da Associação Paulista de Nutrição; fitoterapeuta pelo Medicina Natural Alternativa no Manchester Institute of Medicine; professora convidada de hospitais e de várias universidades públicas e privadas nos cursos de graduação e pós-graduação em Nutrição; sócia-fundadora da Sociedade Brasileira de Nutrição Esportiva; autora do livro “Alho Garlic – Descubra como o alho pode favorecer sua saúde”; coautora do livro “Grávida em Boa Forma”, de Angélica Banhara; colaboradora do livro “Nutrição Esportiva”, de Marcia Daskal; fitomedicina – Fundação Herbarium e Associação Argentina de Fitomedicina (2004); especialista em Nutrição Clínica Funcional – CVPE; especialista em Psicologia Transpessoal pela Associação Luso Brasileira de Transpessoal – 2010.