Seis vezes consecutivas campeã da tradicional Corrida do Batom de Guarulhos, além de vencedora de outras tantas provas dentro e fora do município, a atleta Ana Cláudia Emperador será uma das condutoras da Tocha Olímpica em sua passagem pela cidade, no dia 23 de julho.

Segundo a competidora, ao receber o convite não conteve a emoção. “Quando recebi o e-mail, eu chorei”, revela. Ao todo, a pira olímpica passará pela cidade em uma trajeto de 10,4 quilômetros.

No percurso, 52 pessoas levarão a Tocha, cada um por um trecho de 200 metros. “Serão os 200 metros mais lentos de minha vida”, brinca a atleta, acostumada a provas de longa distância, incluindo ultramaratonas.

O trajeto pelo município tem uma pausa no Bosque Maia, onde haverá um evento com diversas modalidades esportivas no dia da passagem da Tocha. “Gostaria muito de conduzir a tocha próximo ao Bosque Maia. Ali está a minha vida. Treino todo dia lá”, torce Ana Cláudia.

A rotina da atleta inclui seis treinos semanais no Bosque, sempre das 7h às 9h, “chova ou faça frio”, conforme frisa a competidora. A dedicação lhe rendeu inúmeras medalhas, expostas ao lado de muitos troféus em sua residência.

Projetos sociais – A corrida faz parte de seu dia a dia, mas não só como competidora. Sua rotina começa às 5h, levando os três filhos à escola. Além dos treinos diários e das provas, encontra tempo ainda para atuar como voluntária em projetos sociais envolvendo crianças.

Com isso, a participação na condução da Tocha não é só resultado de seus feitos como atleta, mas também pela sua atuação como cidadã. Ela dedica tempo e atenção a ensinar Iniciação ao Atletismo e Resgate de Brincadeiras de Rua pelo projeto Acreditar, mantido pelo Colégio Nossa Senhora das Dores, que envolve cerca de 140 crianças da comunidade São Rafael. Outro projeto é feito por meio de sua assessoria Esportiva, também com crianças, e é realizado no Bosque Maia.

Paixão instantânea – Nascida em Caçapava, no interior de São Paulo, Ana Cláudia chegou a Guarulhos há 22 anos. Sua iniciação como atleta começou na cidade, há 17 anos. À época, o objetivo com o a atletismo era apenas a busca por qualidade de vida. “Queria emagrecer, como toda mulher. Mas acabei me apaixonando”, lembra.