A juíza Éuzy Lopes Feijó Liberatti, da 2ª Vara Cível da Justiça de Vinhedo, negou o pedido de recuperação judicial do parque de diversões Hopi Hari na quinta-feira, 8.

A dívida do parque já ultrapassa os RS$ 329 milhões. A situação financeira do parque teria se agravado desde 2012, ano em que um acidente em um de seus brinquedos resultou na morte de uma vítima e o fluxo de frequentadores diminuiu.

Na decisão, a juíza Euzy Lopes Feijó Liberatti apontou que as medidas requisitadas “não contam com o respaldo da lei”, e que “compromente bens sem que se conheça previamente a extensão, em detrimento dos demais credores, em eventual decretação de quebra.”

O parque estava programa para reabrir nesta quarta-feira, 7, mas agora permanecerá fechado sem previsão de abertura.

O pedido de recuperação judicial foi enviado no dia 24 de agosto, também na 2ª Vara Cível da Justiça de Vinhedo.