Coluna do Carleto – Edição 361

Coluna do Carleto – Edição 361Essenciais

Menos de dois dias de greve dos funcionários da Quitaúna mostraram o quanto a categoria dos coletores é imprescindível para a cidade. Além do lixo residencial, as ruas ficaram ocupadas por detritos das feiras livres.

Isso precisa mudar

Nada justifica que os feirantes não recolham os resíduos de sua atividade em sacos plásticos, da mesma forma como o comércio estabelecido em imóveis é obrigado a fazer. Se há lei nesse sentido, precisa passar a ser cumprida. Se não há, é preciso criar. A rigor, as ruas onde são realizadas as feiras deveriam ficar, ao final, tão limpas quanto estavam ao amanhecer.

Sem queixas

 

A coleta domiciliar de lixo orgânico é um dos poucos serviços públicos que não geram reclamações em Guarulhos. A empresa Quitaúna, que é proprietária do único aterro sanitário da cidade, cumpre religiosamente os dias e horários determinados. A falta do serviço gera problemas de saúde pública. Os gestores municipais deveriam pagar com a mesma pontualidade.

Tema polêmico

Desde o projeto sobre o Regime Jurídico Único do funcionalismo não surgia algo tão polêmico para ser votado na Câmara Municipal quanto a proposta do Executivo de securitização da dívida ativa. Até vereadores do próprio PT colocam-se contra o projeto. O deputado Auriel, também petista, divulgou nota pública, alertando para o perigo de aprovar a ideia nos termos pretendidos pelo prefeito Almeida. Nas redes sociais, multiplicam-se as postagens condenando a iniciativa.

Que bicho é esse?

A securitização é a venda da dívida para uma instituição financeira, escolhida por licitação. Ou seja, quem deve para a Prefeitura passaria a dever para um banco, que, fatalmente, usaria de maior rigor para cobrar e, em troca do risco, só toparia pagar uma parte do valor ao município.

Por que a pressa?

Não é segredo que os cofres guarulhenses estão vazios. E a tal securitização poderia ser a tábua de salvação. Mas, afinal, por que apenas agora, no apagar das luzes de seu mandato, Almeida propõe isso ao Legislativo? Está querendo ser bonzinho com o sucessor? E Guti, o que tem a dizer a respeito? Votaria a favor do projeto se ainda fosse vereador? Se parte preponderante da dívida ativa é responsabilidade de poucos devedores, a Prefeitura deveria pôr apenas esses nesse balaio. Porque um banco jamais terá sensibilidade para agir com algum critério social ao cobrar famílias humildes, que podem estar devendo não por picaretagem, mas em virtude de alguma circunstância, como desemprego ou problemas de saúde. O correto é, pois, que a nova Câmara discuta isso melhor com a população, sem afogadilho.

Banho de amor

A equipe Banho de Amor estará com seu trailler na praça Getúlio Vargas, no domingo, 18, oferecendo um bom banho a moradores de rua. Ainda precisa de mais bermudas masculinas (números 38 a 42), chinelos, camisetas e toalhas. Não se aceita dinheiro. Quem quiser ajudar pode ligar para o celular 99104-7311. Doações podem ser entregues no Instituto Acolher, Rua Raphael Colacioppo, 40 – Jd. Bom Clima – Guarulhos/SP.

Se a moda pega…

Prefeita de Ribeirão Preto, que havia sido presa, acusada de corrupção, foi liberada pelo STJ. Prefeitos eleitos de algumas cidades não poderão assumir, por terem sido presos ou estarem foragidos. Ex-secretário de Planejamento de Santo André foi preso por cobrar propina para liberar empreendimento.

Coluna do Carleto – Edição 361Sem pais, nem mães

Multiplicam-se por Guarulhos os fios caídos, atravessando ruas, colocando pedestres e veículos em risco. O tempo passa e ninguém toma providências. Quem é responsável por eles? A quem cabe fiscalizar? Alguém precisa assumir, com urgência, a responsabilidade de identificar os culpados e pôr fim a esse tipo de abuso.