Agende presta contas de sua contribuição para Guarulhos

A Agende (Agência de Desenvolvimento e Inovação de Guarulhos) foi fundada em maio de 1999 com o objetivo de elaborar um planejamento de desenvolvimento compartilhado para a cidade, de curto, médio e longo prazos, contemplando todos os atores do município, observando a necessidade da promoção da inclusão social, gerando empregos, elevando o nível de renda, incentivando o empreendedorismo e explorando o potencial de turismo de negócios e as vantagens estratégicas geradas pelo aeroporto, sem perder de vista a preservação e recuperação ambiental sustentáveis.

Desde o início, foi formada por representantes das entidades representativas, com apoio institucional da Prefeitura de Guarulhos.

A Agende teve forte participação na formulação do SIM Guarulhos, conjunto de normas para incentivar a vinda de empresas para a cidade e geração de empregos locais. No início da operação da Escola Técnica Federal em Guarulhos, foi a Agende quem assumiu a gestão, até 2005. Com seu braço educacional, o CPT (Centro de Educação Profissional e Tecnológica de Guarulhos), atendeu mais de 11 mil alunos da cidade no Campus da Escola Técnica da Vila Rio, entre cursos técnicos do 2º grau e cursos financiados pelo FAT. Depois que devolveu o campus ao MEC, manteve os cursos profissionalizantes em outros dois endereços.

Qualificada em 2002 como Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), participou nas discussões para a construção do trecho Norte do Rodoanel, defendendo interligações com a cidade; atuou na formulação do Plano Diretor de Guarulhos; instalou e mantém a Incubadora de Empresas de Guarulhos, em Cumbica, propiciando o surgimento de novos empreendedores.

Ao encerrar o mandato do presidente Aarão Ruben Oliveira, foi divulgado um resumo das atividades desenvolvidas ao longo desses quase 18 anos de atividades, com enfoque principalmente no período mais recente.

Em maio de 2007, a Agende inaugurou o Banco de Dados de Indicadores Socioeconômicos de Guarulhos (Bdiseg) e edita a revista Análise Guarulhos, para proporcionar à cidade instrumentos de análise de informações qualificadas e contextualizadas sobre o Município.

Desde 2008, concentra esforços para a criação do Parque Tecnológico Guarulhos. Para tanto, articulou com êxito acordo entre o Estado e a Prefeitura para a dação em pagamento ao Município de área de 125 mil m2, que pertencia à Dersa, além da cessão de uso de outros 142 mil m2, totalizando 267 mil m2 na Cidade Satélite.
Em missões internacionais, foram firmados diversos Acordos de Cooperação Técnica com Instituições de Ensino e Parques Tecnológicos nacionais e internacionais, com destaque para o Tagus Park, o Parque Tecnológico de Andalucia, Biocant e Parque de Pando.

Sob nova direção

Nova diretoria assumiu em 1º de janeiro de 2017. Laudirley Dourado foi eleito por unanimidade. Roberto Marchiori deixou o cargo de secretário geral e assumiu como vice-presidente. Loredana Piovesan assume como secretária geral. Os diretores eleitos foram Josinaldo José de Barros, do Sindicato dos Metalúrgicos, e Reginaldo Sena, do Sincomércio.
No Conselho Fiscal, a Agende conta com o Industrial do Ano, José Araujo Junior, e a empresária Vera Belezzo, além do economista e empresário José Alberto Cravo Roxo.

Aarão Ruben disse que em sua gestão lidou com crises que afetaram o País e, consequentemente, a entidade, e precisou promover um choque de gestão para que a Agende pudesse trabalhar com eficácia. Hoje, a equipe profissional e de suporte conta com 14 pessoas que exercem atividades em prol da inovação e desenvolvimento de Guarulhos. Ele também salientou que gostaria muito que durante sua gestão o Parque Tecnológico tivesse sido implementado em Guarulhos, mas mostra-se satisfeito ao anunciar que o projeto está bem avançado e crê que em breve será realidade.
“A Agende me trouxe muitos desafios. Deixo-a com a sensação de dever cumprido. Acredito que minha maior contribuição foi reorganizar a gestão, inclusive tendo seus projetos desvinculados da Prefeitura. Tenho certeza de que a Agende continua em boas mãos e que Laudirley Dourado será muito bem-sucedido, juntamente com sua diretoria e irão fortalecer ainda mais a entidade das entidades de Guarulhos”, disse Aarão.

Fim de parcerias com as Secretarias de Educação e do Trabalho

Os projetos executados em parceria com as Secretarias da Educação e do Trabalho demandavam número expressivo de profissionais educadores. A folha salarial consumia 95% dos valores recebidos da Prefeitura pela Agende.
Por isso, a Diretoria da Agende decidiu não mais desenvolver esses projetos, os quais eram geradores de passivos trabalhistas e desvantajosos financeiramente. Havia profissionais com mais de dez anos de atividades. Para evitar multa e penalizações, foi necessário o cumprimento dos contratos.

Esclarecimento sobre os valores recebidos

As concorrências entre as empresas ou entidades que participavam dos editais concorrenciais (lei 8.666/93) eram disputados pela menor taxa de administração, naturalmente compelindo ao menor valor possível.
Vencendo a licitação, a Agende necessariamente precisou utilizar os valores de taxa de administração para fazer frente aos diversos custos administrativos, de imóveis, de materiais e parte significativa dos custos indiretos dos assalariados (dado que nos cálculos da Prefeitura o custo indireto é de 70%, diferente dos valores praticados no mercado, de 102%).

Taxa de administração era de apenas 5%

No período 2013 a 2016, o total recebido pela Agende foi de R$ 28,9 milhões. A taxa média de administração foi de 5%. Portanto, o valor real para a entidade foi de R$ 1.447.096,38, com o qual a Agende fez frente a despesas com o gerenciamento do projeto da Incubadora de Empresas, projeto do Parque Tecnológico, atração de empresas para o Município e enfrentamento do passivo trabalhista da entidade, pois eram 401 funcionários, todos regidos pela CLT. Aarão Ruben ressalta que aproximadamente R$ 27,5 mihões foram para saldar custos do próprio projeto, a maioria com salários e impostos.
A título de comparação, no contrato da Secretaria de Educação com o Instituto Civitas, a taxa de administração era de 20%.

Ações trabalhistas e de aluguel

Devidos às demissões, surgiram demandas trabalhistas, tratadas pelo setor jurídico da entidade. Como foram feitos diversos acordos na Justiça do Trabalho, restam apenas oito em curso. Quase todos os processos são derivados da inadimplência do governo municipal nos pagamentos devidos à Agende, os quais passam de R$ 4 milhões.
Com o fim do CPT, a Agende devolveu o imóvel da rua Aurora, em vila Moreira, cujo proprietário recusou-se a aceitar a rescisão da locação, o que está sendo discutido judicalmente.

Financiamentos bancários

Em decorrência do fluxo de caixa negativo, a Agende foi obrigada a contrair empréstimos, incluindo aval pessoal do então presidente Aarão Ruben. Além de um banco comercial, utilizou-se com sucesso a parceria com a Cooperativa Sicoob UniMais, que proporcionou condições vantajosas para a entidade.

Cenário positivo

O novo presidente, Laudirley Dourado, vê com otimismo o futuro da Agende e o quanto a entidade pode ser útil à cidade, tanto como gestora do futuro Parque Tecnológico, quanto no seu papel de continuar atraindo novas empresas para Guarulhos, tendo já uma grande conquista que poderá ser anunciada em breve pelo prefeito Guti, graças às articulações da Agende junto ao vice-governador Márcio França, secretário de Ciência e Tecnologia do Estado.

Agende Guarulhos

Rua Paschoal Conte, 225, Gopoúva
www.agendeguarulhos.org.br
Tel. 3488-9535