Pacotes de leite em pó, distribuídos pela Prefeitura a alunos da rede municipal, continuam sendo vendidos por famílias que preferem não utilizar esse leito como alimento. Valem-se para isso de postagens no Facebook, apesar de ser uma prática passível de classificação como delito. A alegação de que a pessoa precisa do recurso para comprar outro leite pode ser um atenuante, mas não torna legal a atitude de quem vende.

A foto é de uma postagem no grupo de moradores do Jardim São João. Na vez anterior em que esse tipo de venda foi observado em grupo de outro bairro, os administradores afirmaram serem contra e que, sempre que tomam conhecimento, excluem imediatamente, mas que não têm como impedir que as pessoas usem a página indevidamente para atos como esse.