Moradores do Jardim Barbosa articulam contra calçadão na rua Tapajós

 

Em reunião no condomínio Guaíra, dia 30, moradores das ruas Macaé, Guaíra e Tapajós manifestaram-se contrários à transformação da rua Tapajós em calçadão.
O morador Francisco Moreira faz correr um abaixo-assinado, que já coletou mais de 600 assinaturas, e mobilizou síndicos dos condomínios Guaíra e Mirage e moradores do entorno para discussão do assunto.

Indagado pelo morador Eduardo Alves Teixeira sobre o projeto do calçadão, Moreira informou que, em pesquisa feita no site da Prefeitura, encontrou o Processo Administrativo 34426/2018 protocolado pela Secretaria de Desenvolvimento Científico Econômico e Tecnológico que trata do chamado Projeto Boulevard Tapajós.

Alves reclamou que um projeto dessa importância para a rua Tapajós que envolve moradores, feirantes e milhares de consumidores de toda a cidade merece uma audiência pública. Disse que irá na Tribuna Livre da Câmara Municipal no dia 7 de fevereiro,  denunciar que o poder público, “para beneficiar meia dúzia de bares, tome esta decisão sem ouvir todos os interessados”.

Os presentes decidiram continuar a mobilização e a coleta de assinaturas para entrar com ação judicial contra o projeto Boulevard Tapajós.

O advogado Yandara Pini, morador de um dos condomínios da região, informou que já protocolou uma queixa no site da Prefeitura contra o barulho proveniente dos bares Vila Velha, Boteco Boa Vista, Deck Espeto e outros. Disse que há moradores que se deslocam dos dormitórios para a cozinha para conciliar o sono no fim de semana, e colocou seu escritório à disposição dos moradores para entrar com ação no Ministério Público.

Francisco Moreira disse que já há apartamentos e residências que não conseguem ser locados por causa do barulho e inconveniências dos bares e que a transformação da Tapajós em calçadão representará grande prejuízo para os proprietários, que terão seus imóveis desvalorizados.

Os feirantes que fazem a feira de domingo da rua Tapajós foram convidados para a reunião e informaram que em assembleia realizada no Sindicato, no dia 14 de janeiro, manifestaram-se contra a mudança da feira para a rua Luiz Faccini. A proposta de mudança foi feira pelo secretário Jorge Taiar em reunião com a direção do Sindicato. O presidente da instituição deverá voltar a conversar com ele para tratar do assunto.

O espaço do Click Guarulhos fica à disposição dos proprietários de comércios da região, bem como dos defensores da ideia do calçadão, para que se manifestem.