PM usa arma para empurrar estudante durante protesto no Brotero

Policial apontou arma para alunos; diretor da escola acionou PM após confusão - Foto: Reprodução de vídeo

Protesto na Escola Estadual Prof. Frederico de Barros Brotero, na Vila Progresso, terminou em confusão na noite desta quinta-feira, 4. Um policial militar acionado para conter o tumulto chegou a empurrar uma estudante do ensino médio usando uma arma de cano longo, possivelmente uma calibre 12. A Polícia Militar (PM) informou que tomou conhecimento do vídeo e abriu investigação para analisar a conduta dos policiais na ação.

Policial militar usa cano da arma para empurrar estudante durante protesto no Brotero

Um vídeo gravado por estudantes da escola e divulgado nas redes sociais mostra o momento em que a jovem é empurrada por um policial armado. O PM usou o cano da arma para empurrar a aluna. No momento em que a jovem é empurrada, primeiro com a mão e depois com o cano da arma, várias pessoas gritam e tentam intervir. Um homem entra na frente para separar a jovem e o policial, que mantém a arma direcionada para os jovens no pátio.

No vídeo também é possível ver quando quatro policiais entram no pátio da escola e fazem uma espécie de cordão de isolamento em frente ao portão de acesso. O policial que empurra a jovem entrou no local, onde estavam dezenas de estudantes, com uma arma de cano longo em punho.

Segundo os estudantes, a confusão começou durante um protesto contra a decisão do novo diretor de proibir a entrada de alunos depois do início das aulas, às 19h. Os alunos reclamam que nem sempre conseguem chegar a tempo, porque muitos trabalham e vão direto para a escola. O grupo combinou que ficaria no pátio para protestar.

Alunos também acusam o diretor de negligenciar pedidos de melhorias da comunidade escolar. Eles afirmam que a escola não recebe manutenção de infraestrutura adequada, e que as salas de aula, os corredores e os banheiros ficam alagados quando chove.

Houve protestos nos períodos da manhã, tarde e noite de ontem. A direção da escola teria acionado a polícia para tentar controlar a situação por volta das 19h40 desta quinta, 4. A direção da escola chamou a polícia, que passou a controlar o portão de acesso ao prédio.

De acordo com o diretor da escola, jovens estavam incitando os alunos a pedirem a saída dele e contra uma operação policial para coibir o uso de drogas no entorno dias antes.

No boletim de ocorrência, os policiais disseram que foram chamados por solicitação do diretor que estaria sendo ameaçado e para defender a sua integridade física. A PM informa que usou armas com balas de borracha.

Dois alunos, de 16 anos, foram detidos. Eles serão encaminhados à Vara da Infância e Juventude.

A PM informou ainda que “tomou ciência do vídeo e instaurou investigação” para analisar a conduta dos policiais e as circunstâncias da ocorrência na escola.

A Secretaria de Educação do Estado informou que “vai apurar o episódio na escola e colaborar com polícia para esclarecer o fato”.

Os alunos prometem realizar nesta sexta-feira, 5, novos protestos no pátio do colégio em que vão pedir a renúncia do diretor da escola.

*Com informações do G1 e da Folha de S. Paulo