PUBLICIDADE
InícioCIDADEFamília se assusta ao encontrar mosquito Aedes Aegypti dentro de casa

Família se assusta ao encontrar mosquito Aedes Aegypti dentro de casa

Publicado em
PUBLICIDADE

José Henrique Basile, 43 anos, pai de dois filhos: uma bebê de 2 meses e uma criança de oito anos, se assustou ao encontrar um mosquito Aedes Aegypti, transmissor de dengue, chikungunya e zica vírus, dentro de sua casa, no Cocaia, na sexta-feira, 24. A família mora na rua Joaquim José de Carvalho, número 137, uma travessa da avenida Brigadeiro Faria Lima, próximo ao McDonald’s.

Basile telefonou para o Click Guarulhos e indagou: “como faço para denunciar isso à Prefeitura, qual o número do telefone?”. Informamos que não havia um número de telefone específico para isso, conforme reportagem recente do nosso portal, o que o deixou indignado.

Procurada pelo Click Guarulhos, a Secretaria de Saúde informou que o Cocaia não está na lista de bairros com maior incidência da doença (dengue) e que as ações de combate ao vetor estão sendo intensificadas nas regiões dos bairros Carmela, Ponte Alta, Primavera, Jardim Lenize, Haroldo Veloso, Soberana e Recreio São Jorge.

A Secretaria de Saúde informou ainda que de janeiro até maio deste ano foram confirmados 1.996 casos de dengue na cidade, sem nenhum óbito e confirmação de outras arboviroses transmitidas pelo Aedes aegypti até o momento.

 

Questionada a respeito de uma forma mais simples e eficaz da população entrar em contato com os órgãos responsáveis pelo combate ao Aedes em Guarulhos, a Prefeitura informou que não dispõe de um número de telefone para denunciar possíveis criadouros ou solicitar a visita de agentes de saúde. A Secretaria de Saúde indicou “que todas as denúncias sobre focos do Aedes aegypti devem ser formalizadas na Rede Fácil de atendimento ao cidadão, seja presencialmente, ou pela internet: www.guarulhos.sp.gov.br, acessando na parte inferior da tela o link Portal de Serviços e, na sequência: 1. Guia de Serviços, 2. Vigilância em Saúde, 3.Denúncia e Fiscalização e, por fim, 4. Criadouros do Mosquito Aedes aegypti.”   

Ações da Secretaria de Saúde

Em atenção ao questionamento do Click Guarulhos, a Secretaria de Saúde informou “que vem trabalhando duro para combater o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus. Porém, a população deve fazer a sua parte, vistoriando com frequência sua casa, para eliminar toda água parada, lembrando que os criadouros podem estar em tampas de garrafas, garrafas vazias, ralos e vasos sanitários sem uso frequente, bandeja da geladeira, ar condicionado e filtros de parede. Além disso, deve vedar as caixas d’água com tampas; não acumular água em recipientes; eliminar a água dos pratos de vasos das plantas; não acumular água nos pneus. Recomenda-se ainda o uso de repelentes.”

A Prefeitura informou que além do trabalho de rotina de visita, casa a casa, bloqueio de criadouros e atuação em locais estratégicos, a Secretaria de Saúde vem realizando várias ações diferenciadas para orientar a população com abordagem de transeuntes, residências e comércios, inclusive na região do Cocaia.

A Secretaria também realiza nebulização nos casos que atendem a critérios epidemiológicos e, neste mês, ainda passou a contar com o apoio de soldados da Base Aérea de São Paulo que estão reforçando o combate ao Aedes aegypti na cidade, juntamente com os agentes de saúde do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ).

Nossa opinião

Sem desmerecer todas as atividades que a Secretaria de Saúde tem mantido para combate ao mosquito, parece-nos incabível que a Prefeitura exija que o cidadão tenha de se deslocar a uma unidade do Fácil para denunciar possíveis focos do mosquito. Afinal, as pessoas trabalham e têm seus afazeres; não é justo que tenham de ocupar parte de seu tempo para denunciar algo que é de interesse da coletividade e não pessoal.

No caso em questão, quando o morador informa seu endereço e comprova que encontrou mosquito com as características do Aedes aegypti, entendemos que, ainda que não seja um bairro com maior incidência das doenças por ele transmitidas, a Secretaria de Saúde deveria enviar uma equipe para uma ação efetiva nas imediações.

Valdir Carleto

*Com reportagem de Alexandre de Paulo

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE