Dpan responde sobre animais abandonados

 

A Subsecretaria de Comunicação enviou resposta do Departamento de Proteção Animal (DPan), aos questionamentos enviados na manhã de sexta-feira, 26, a respeito de postagens nas redes sociais, de queixas quanto à falta de atendimento a animais que vivem nas ruas, tema que foi incluído na Coluna do Carleto, publicada no mesmo dia 26, à noite.

Foi indagado à Secretaria do Meio Ambiente, à qual o Dpan está vinculado, o que o Departamento entende por situação de risco, já que recusou recolher uma cadela no cio, que vem atraindo muitos machos, alegando que só age em situações de risco.

Segue a resposta:
“Situações de risco são entendidas como doenças expostas, bem como ferimentos oriundos de agressão e maus tratos. Todas as denúncias de maus tratos, em atendimento à lei 9605/98, são realizadas através da Delegacia de Crimes Ambientais do município, já que se tratam de condutas tipificadas como criminosas.”

Outra questão levantada pela coluna:
Se não tem como sua atribuição recolher animais abandonados nas ruas, justifica-se a existência do Departamento de Proteção Animal? Afinal, os protetores e Ongs fazem trabalho voluntário, mas não podem assumir tarefas que caberiam ao poder público.

Segue a resposta:
“O DPAN trabalha com os recursos disponíveis e parcerias visando diminuir os casos de abandono e maus tratos, promovendo a castração gratuita de mais de 1 mil animais (cães e gatos) mensalmente, além de campanhas de adoção diversas para os animais sob responsabilidade do departamento.”