Sabesp pode tratar o lixo de Diadema

Aterro da CDR está recedendo lixo de Guarulhos, da Capital e de cidades da Grande São Paulo - Foto: Alexandre de Paulo
 

A Sabesp informa que, nesta quinta-feira (13), a Câmara Municipal de Diadema aprovou Lei Municipal que autoriza o Município e o Estado de São Paulo a celebrarem convênio de cooperação que permitirá à Sabesp tratar os resíduos sólidos urbanos da cidade. O foco da lei é a destinação final do lixo e seu reaproveitamento em geração de energia e não inclui a coleta do lixo, que continuará a cargo do município. Com a nova lei, as discussões em torno da forma final e contratual da possível atuação da Sabesp devem evoluir.

Segundo informe da empresa estadual, o tratamento do lixo vai ao encontro do compromisso da Sabesp com a sustentabilidade, qualidade de vida da população e também com os objetivos
do desenvolvimento sustentável (ODS) da ONU. “A Companhia já trabalha em projetos inovadores voltados à economia circular”, diz a nota.

 Tecnologia e inovação

O município de Franca é pioneiro na geração de biogás a partir do lodo residual do processo de tratamento de esgoto, combustível que é utilizado nos processos internos da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da cidade.

No ano passado, projeto desenvolvido pela Sabesp e o setor privado em Mogi Mirim implantou a primeira usina fotovoltaica no setor de saneamento do Brasil.
Neste mês de fevereiro, a Sabesp autorizou a construção de usinas solares nas ETEs de Presidente Prudente, Euclides de Cunha e Paraguaçu Paulista, com o objetivo de ser autossuficiente do ponto de vista energético.

(foto meramente ilustrativa)