Professora Jane Rossi semeando a paz

Jane Rossi com a filha e a mãe
 

Jane Rossi, natural de Recife (PE), chegou em São Paulo com cinco anos de idade. Aos dez anos iniciou o estudo da música e durante quatro anos aprendeu a tocar acordeon num conservatório musical na Vila Maria. Aos 14 anos deixou a música de lado para focar nos estudos.

A Vila Maria ficou na lembrança de infância, pois sua mãe comprou uma casa em Itaquera e foi na escola, no ensino médio que conheceu seu esposo, Luiz Antônio Rossi. Eles namoraram e noivaram por seis anos. “Foi meu primeiro e eterno amor”, diz ela, com emoção e saudade.

Casaram-se e vieram para Guarulhos; tiveram 3 filhos. Ele formado em Direito e ela professora da rede estadual. “Foram trinta anos de uma feliz união. Passou o tempo e o Rossi recebeu um chamado, foi morar no céu, ficou em mim um imenso vazio”, revela.

Jane não esconde que a perda do marido ainda causa uma dor insuportável, que ela tenta amenizar com seus projetos na escola.

Em 2007 fez seu primeiro projeto, “Mãos que falam”. Lecionava Libras para alunos ouvintes do ensino fundamental II. Em 2009 fez o primeiro livro com autoria dos alunos, “Poetas da Escola”, que teve como destaque Stefany Nayara, uma aluna poeta que continua escrevendo.

Em 2011, na E.E. Odete Fernandes, com o apoio da diretora Jinlova Pantaleão, foi produzido o livro Sentimentos. Em 2012 nasceu Semente da Paz, livro que fez sucesso na escola e atravessou os portões para outras unidades. Alunos são incentivados a escrever poemas sobre a paz. Uma equipe de professores avalia as participações e seleciona algumas dezenas de poesias, com as quais é editado um livro.

“Em 2012, Nivaldete Ramalho estava na direção e apoiou, colaborou, deu todo incentivo possível. Fizemos 5 edições, uma por ano, muitos e muitos alunos tornaram-se autores com mensagens de paz”, conta, com orgulho. Quando não houve verba oficial, ela foi atrás de patrocínios e conseguiu que o livro se tornasse realidade.

Com dificuldade de audição, Jane foi remanejada há dois anos para a sala de leitura, onde se realiza organizando projetos.

Em 2019, agora com outra diretora, Shirlene Costa continuou o trabalho. “Ela aprova, apoia, colabora, assim como as outras guerreiras que estiveram em meu caminho. São anos de trabalho tentando aproximar o aluno da leitura e da escrita, buscando fazer o aluno enxergar um mundo mais bonito, são anos de trabalho tentando mudar a vida de alguém”, explica o que a faz levar o projeto adiante.

“O Semente da Paz de 2019 foi muito especial, com a participação de todos os períodos, inclusive o EJA. O lançamento foi na Faculdade Anhanguera, uma noite emocionante”.

Poetisa, membro honorária da Academia Guarulhense de Letras, Jane Rossi se define assim: “professora, filha da dona Alzira, mãe da Janaína, Júnior e Marco. Avó do Nikolas, Ana Júlia, Enzo e Enrico. Uma mulher que apesar da viuvez e da deficiência auditiva tem prazer em viver, tem prazer em ensinar o aluno sentir que o mundo pode mudar e a escuridão pode se iluminar, uma mulher que vive e respira pelos filhos e netos, apenas uma mulher”.