PUBLICIDADE
InícioDESTAQUEDia de tensão em Brasília. Por enquanto, Moro fica, mas quer indicar...

Dia de tensão em Brasília. Por enquanto, Moro fica, mas quer indicar novo diretor da PF

Publicado em
PUBLICIDADE

Um dia de idas e vindas e desmentidos. Foi assim esta quinta-feira, 23/4, em Brasília (DF). Há tempos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vem cogitando trocar o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, nomeado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Em agosto de 2019, essa intenção quase provocou a saída de Moro da equipe do governo. Bolsonaro foi desaconselhado pelo general Augusto Nunes, porque o ministro tem a simpatia de boa parte da ala militar, por ver nele um símbolo da luta contra a corrupção e, de certa forma, contra o petismo.

Coincidência ou não, a nova investida do presidente contra Valeixo acontece quando o Ministério Público do Rio de Janeiro obteve da Justiça a determinação para manter investigação do caso das “rachadinhas”, prática que consiste em repartir o salário dos funcionários comissionados com os políticos que os nomeiam, e que pesaria contra o então deputado Flávio Bolsonaro, filho do presidente.

Coincidência ou não, a nova investida contra Valeixo surge num momento em que o presidente Bolsonaro vem buscando atrair para a base de sustentação do governo parlamentares de partidos que têm integrantes investigados pela Operação Lava-Jato. É importante para o governo isolar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) e, para isso, precisará contemplar os deputados com cargos em órgãos públicos e estatais e atender a outras reivindicações. Interessa a muitos parlamentares tirar o diretor da PF, porque são alvo de investigações.

Um nome cogitado para o lugar de Valeixo é o do delegado Alexandre Ramagen, que é o diretor atual da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Depois que o UOL, portal da Folha de S.Paulo, noticiou nesta quinta-feira, que, diante de pretensão do presidente de trocar o diretor-geral da PF, Sergio Moro teria pedido demissão, a assessoria do Ministério divulgou nota negando a informação.

Outros ministros, inclusive os militares, buscam convencer Moro a permanecer no Ministério. Uma saída honrosa seria que ele pudesse escolher o substituto de Valeixo, que já declarou não ter apego ao cargo.

Fica aí um novo impasse: se Moro capitular e ficar, aceitando o nome que Bolsonaro impuser, demonstrará fraqueza diante da opinião pública. Se Bolsonaro aceitar que Moro indique o substituto, dará mostra de que precisa do ministro, cuja popularidade o desagrada.

A sexta-feira promete. A não ser que os ministros militares convençam Bolsonaro a deixar tudo como está para evitar maior desgaste.

Se não bastasse o imbróglio referente à pasta da Justiça, ainda teve o desastrado anúncio, ontem, pelo ministro da Cidadania, Onix Lorenzoni, de antecipação do pagamento da segunda parcela do Auxílio Emergencial, hoje negado por Bolsonaro, que afirmou que Onix fez a promessa sem consultá-lo.

Se não bastasse, há também o desencontro entre o Plano Pró-Brasil, anunciado ontem pelo ministro Braga Neto, com o que a equipe do Ministério da Economia discorda.

Por hoje, basta.

Valdir Carleto

Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE
Redes Sociais
28,870FãsCurtir
3,337SeguidoresSeguir
1,683SeguidoresSeguir
358InscritosInscrever
PUBLICIDADE

Últimas publicações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE