Uso de máscara será obrigatório no transporte público de São Paulo

 


O governador João Doria anunciou na quarta-feira (29) que o uso de máscaras de proteção passará a ser obrigatório para passageiros do Metrô, da CPTM, dos ônibus intermunicipais da EMTU nas regiões metropolitanas e dos ônibus rodoviários fiscalizados pela Artesp.

O Decreto nº 64.956, de 29/4/2020, já foi publicado no Diário Oficial e a medida passa a valer a partir da segunda-feira (4). O uso de máscaras também será obrigatório nos ônibus urbanos da Capital de São Paulo. Nos ônibus das linhas municipais de Guarulhos já era de uso obrigatório desde a segunda-feira, dia 27/4.

“A obrigatoriedade é válida também para táxis e aplicativos, e a especificação será feita pelas prefeituras municipais”, disse Doria.

A medida está alinhada com as ações que o Governo do Estado vem tomando para frear o ritmo de contaminação da COVID-19. “Mesmo quem não tem sintoma pode estar infectado e infelizmente acabar contaminando outro passageiro”, lembrou o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy. “Usar máscara é um cuidado pessoal e um gesto que demonstra respeito a quem está ao seu lado. Se todos colaborarem, vamos juntos vencer o Coronavírus”, completou.


Caberá às empresas e aos prestadores de serviços fiscalizar e não permitir a entrada e a permanência de pessoas sem máscaras no interior das estações, dos vagões e dos ônibus. “As empresas serão fiscalizadas pelos órgãos estaduais e municipais e advertidas se identificarmos o não cumprimento desta determinação. Depois da advertência, serão multadas”, explicou o governador.


Redes Sociais

Outra fonte de informação ao cidadão são os canais oficiais da Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM) e das empresas nas redes sociais, como Facebook, Instagram, Twitter e Youtube. Em todas as plataformas é possível ter acesso a uma série de vídeos que tratam de medidas adotadas para combater o contágio. Também estão disponíveis vídeos educativos, ensinando como fazer máscaras caseiras, higienizar objetos pessoais e a forma correta de lavar as mãos, por exemplo.


Limpeza e higienização


Além da intensificação na limpeza e higienização nos trens, ônibus, estações e terminais desde o início da disseminação do novo coronavírus, a STM analisa, também, a viabilidade de higienizar os trens e ônibus intermunicipais com equipamento que emite luz ultravioleta (UV). A tecnologia foi testada no Metrô em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, e poderá ser adotada na CPTM e na EMTU. O robô Hyperviolet C600 deverá ser um grande aliado no combate ao Coronavírus, porque é eficaz, ágil e de baixo custo. O aparelho tem a capacidade de desinfectar cada vagão ou veículo em até um minuto. O projeto foi idealizado no Brasil pelo piloto Lucas Di Grassi, com o conceito de protótipo realizado de forma técnica pela Zasso. A capacidade de desinfecção do equipamento depende da energia por área (joule/m2). Em uma aplicação com energia suficiente a capacidade de esterilização pode ser de 100%.


Linhas intermunicipais administradas pela Artesp



A partir da próxima segunda-feira, 4 de maio, a medida também irá vigorar no transporte intermunicipal em todo o Estado de São Paulo e vale enquanto perdurar a quarentena. Caberá às empresas de transporte coletivo intermunicipal, tanto nas linhas rodoviárias quanto nas suburbanas, proibir a entrada e a permanência de passageiros que não estiverem usando máscara de proteção facial. A Artesp – Agência de Transporte do Estado de São Paulo reitera a orientação para que a população permaneça em quarentena e não faça viagens desnecessárias.

O Sistema Intermunicipal de Transporte de Passageiros do Estado é composto por 91 empresas. Desde março, elas vêm sendo orientadas pela Artesp a reforçarem os procedimentos de limpeza e higienização interna dos veículos. As permissionárias também deverão capacitar seus funcionários para orientar os passageiros e comunicar o público sobre as medidas preventivas adotadas pelas empresas. Além disso, devem ser disponibilizados aos trabalhadores os meios para reforçar as medidas de higiene, como o álcool em gel.

A Artesp afirma que as empresas também deverão considerar a dispensa do trabalho dos funcionários, quando isso for possível – de acordo com as funções realizadas –, e promover o trabalho remoto (home office), principalmente nos c​asos daqueles que apresentarem sintomas característicos da doença.